Homem é morto a tiros dentro de igreja, após discutir por 'assentos reservados'

Uma investigação conjunta que envolveu mais de 50 relatos de testemunhas, revelou que Robert E. Braxton III, de 27 anos, chegou à igreja às 11h e estava, com atitudes perturbadoras e descontroladas, quando foi abordado por um dos fiéis que estava armado.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Sábado, 30 Abril de 2016 as 11:31

Storms, 46 anos (à esquerda) e Braxton, 27 anos, à direita. (Foto: Facebook)
Storms, 46 anos (à esquerda) e Braxton, 27 anos, à direita. (Foto: Facebook)

No último domingo, um homem foi morto a tiros durante um culto na igreja Fellowship Keystone em Montgomeryville, Pennsylvania, após uma briga por assentos, segundo informaram autoridades.

Os detalhes trágicos dos últimos momentos de vida de Robert E. Braxton III, 27 anos, foram revelados em uma declaração de causa provável contra seu suposto assassino, Mark T. Storms, 46 anos, de Lansdale Borough, Pennsylvania. O documento foi compartilhado com 'Christian Post' na última sexta-feira pelo Gabinete procurador distrital do Condado de Montgomery que gerou acusações de homicídio doloso contra Storms com base em vários relatos de testemunhas e uma declaração do acusado.

Uma investigação conjunta que envolveu detetives do Condado de Montgomery, a Guarda Municipal e outros órgãos de aplicação da lei, revelou que com base em mais de 50 relatos de testemunhas, que Braxton chegou na igreja às 11h e estava com atitudes perturbadoras e verbalmente agitado.

Storms, que é um membro da igreja, disse à polícia que ele carrega sua arma consigo sempre que possível, incluindo ocasiões como cultos em sua igreja, e tem uma licença para porte de arma, emitida pelo Condado de Montgomery.

Ele disse que estava sentado na parte traseira da igreja, com sua esposa e filho, quando percebeu alguma movimentação estranha onde Braxton estava.

Storms disse um porteiro tentou acalmar Braxton, mas o homem empurrou o porteiro e começou a fazer ameaças, inclinando-se sobre ele e apontando o dedo na cara dele.

Ele explicou ainda que, quando diáconos e funcionários da igreja começaram a afastar os outros fiéis da área, ele foi até Braxton e disse: "Senhor, você poderia sair comigo?"

Ele disse que Braxton respondeu: "Não coloque suas mãos em mim" e "Eu não tenho que sair".

Ele explicou que como Braxton estava em pé na frente dele com os punhos cerrados ele levantou a camisa e colocou a mão em sua arma, mas não a retirou do coldre.

Storms relatou que também teria dito a Braxton: "Nós realmente só precisamos que você saia para conversarmos".

Storms disse que Braxton, em seguida, o surpreendeu um soco no lado esquerdo de seu rosto. Ele disse que levou a mão ao rosto, porque parecia que estava sangrando. Em seguida, Braxton começou a atacá-los com ambos os punhos cerrados e então Storms revidou com dois tiros.

"Não havia ninguém atrás dele quando eu atirei", disse o autor dos disparos à polícia.

Storms disse que Braxton tropeçou e, em seguida, levantou-se e passou por ele. Ele disse que depois dos disparos guardou sua arma e pediu que alguém ligasse para 911 (emergência), porque ele tinha deixado seu telefone celular no carro.

Ele disse à polícia que atirou em Braxton porque sentiu que sua vida, bem como a vida dos outros fiéis, "estava em perigo".

"Eu senti que estava em grande perigo. [...] Eu estava preocupado com as outras pessoas na igreja e que alguém pudesse se machucar. Há pessoas idosas e crianças na igreja e eu estava preocupado com eles", Storms disse à polícia.

"Eu não tinha intenção de feri-lo ou matá-lo, eu estava tentando impedi-lo, porque eu tinha medo que ele pudesse ferir a mim e a outras pessoas", acrescentou.


Depoimentos
Algumas testemunhas que falaram com a polícia indicou que Storms piorou as coisas, inserindo-se e uma arma em uma situação que os contínuos foram manuseio.

Michael Hendrie disse à polícia que ele estava a cerca de 3 a 4 metros de distância da briga. Ele disse que Braxton foi até um banco e começou a tirar e jogar alguns papéis que estavam nos bancos da igreja. Ele disse que um homem que estava sentado atrás dele tocou no ombro de Braxton para lhe dizer os assentos estavam ocupados. Braxton se virou e disse: "Por que você tem que me tocar, p****? Não me toque de novo, p****".

Hendrie disse que as pessoas viram que Braxton se tornou agressivo e começou a agir de forma descontrolado, dizendo aos funcionários da igreja: "Me deixe sozinho. Me deixe sozinho, p****".

Hendrie, disse que um pastor auxiliar tentou acalmar Braxton e então todos o deixaram sozinho.

Pouco depois que Storms chegou à parte de trás da igreja, viu a confusão e então fez sua abordagem a Braxton.

Segundo a testemunha, Braxton de fato teria dito ao homem armado: "Não, eu não vou a lugar nenhum com você". Hendrie disse que viu Storms segurar alguma coisa na frente de seu corpo e deu um passo para trás. Depois o portador da arma teria pedido à sua família que ficasse no chão. Ele disse que viu o Braxton desferir alguns socos contra o homem que o abordava e em seguida, Storms retirou sua arma. Braxton correu em torno das cadeiras à frente dele e então ouviram-se dois tiros.

Já Connie Gibson disse à polícia que ela interveio durante o confronto entre Braxton e alguns funcionários da igreja e ela perguntou se poderia sentar-se com ele. Ela disse que Braxton se acalmou e parou de gritar até que então ele foi abordado por Storms.

Ela disse Braxton gritou: "Isso é uma arma?". Ela também viu o soco que o homem armado levou e afirmou ter ouvido um tiro.

Kent Himelright, que é um zelador da igreja, disse quando viu Braxton na igreja no domingo ele pensou que era incomum que ele fosse à igreja com as calças desarrumadas e praticamente arregaçadas.

Braxton, disse ele, sentou-se em um banco que tinha sido ocupado por outras pessoas que deixaram suas Bíblias nos assentos para reservá-los. O zelador também confirmou a informação de que um homem que estava sentado atrás de Braxton disse-lhe que os lugares estavam reservados, mas Braxton respondeu furiosamente, pedindo ao homem que não o tocasse. Diversos funcionários, em seguida, tentaram levá-lo para fora e ele recusou-se a sair, até que um pastor lhes disse para deixá-lo sozinho.

Com cursos preparatórios e revisão de antecedentes criminais, o porte de armas por civis é permitido em diversos estados dos EUA, inclusive dentro das igrejas. (Foto:Religions News Service) 


Investigações
Apesar de a agitação de Braxton, o procurador do Condado de Montgomery disse que "Robert E. Braxton III chegou ao culto sem nenhuma arma e com sua Bíblia" e Storms acabou agindo sem qualquer base legal.

"Storms não é e nunca foi um porteiro / segurança, nem tem quaisquer funções oficiais na igreja. Storms se aproximou de Braxton depois de ouvir o barulho e exibiu sua licença de porte armas, além de apontar o revólver Ruger LC9 para Braxton", disse a declaração do procurador.

"Storms então agiu sem base legal e disse a Braxton que teria de deixar o santuário. Braxton, em seguida, atingiu Storms no rosto com um soco no momento em que Storms disparou dois tiros, que atingiram e mataram Braxton desarmado", ele observou ainda.


Luto
O pastor titular da igreja Keystone Fellowship, John Cope, agradeceu ao escritório do procurador distrital pelo seu trabalho sobre o caso em uma carta sobre as conclusões e disse que eles estavam focados em ministrar e apoiar a família de Braxton.

"Queremos agradecer ao Escritório do Procurador Distrital do Condado de Montgomery pelo seu trabalho cuidadoso e completo no processamento de elementos de prova neste caso, e agradecemos à nossa comunidade pelo apoio durante este momento difícil", escreveu ele.

"Estamos focados exclusivamente em ministrar e apoiar aqueles que estão sofrendo, especialmente a família de Braxton. O trabalho do promotor público é administrar a justiça e o nosso trabalho é ajudar os afetados por esta tragédia a lidar com isso. Temos buscado 'chorar com os que choram' (Romanos 12:15)", acrescentou.

veja também