Ideia de um 'islamismo pacífico' é mentira, segundo pastor Saeed Abedini

O pastor argumentou que os muçulmanos modernos muitas vezes tentam explicar que a violência e derramamento de sangue e perseguição do governo não é real no Islã.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Terça-feira, 29 Março de 2016 as 11:39

Abedini afirmou que os muçulmanos que acreditam na paz e no respeito vão "se tornar uma nova religião". (Foto: Reprodução).
Abedini afirmou que os muçulmanos que acreditam na paz e no respeito vão "se tornar uma nova religião". (Foto: Reprodução).

O pastor americano Saeed Abedini, que passou três anos e meio em prisão por sua fé cristã no Irã, respondeu aos ataques terroristas no Paquistão durante o domingo de Páscoa, argumentando que é uma "mentira" acreditam que o Islã é pacífico. Enquanto isso, os líderes muçulmanos de todo o mundo condenaram os atentados suicidas em Lahore, que mataram pelo menos 72 pessoas, insistindo que o terror não representa o Islã.

Abedini, que é o diretor da “Saeed Ministérios”, postou em sua conta oficial do Facebook na última segunda-feira (28): "Se os muçulmanos dizem: ‘somos pacíficos’, isso é uma mentira. O Alcorão ensina que os muçulmanos devem lutar e matar (Jihad) incrédulos, onde quer que você possa alcançá-los, ou seja, a lei islâmica governa todas as sociedades. Em relação com o versículo do Alcorão, cristãos e judeus estão incluídos para tornar as pessoas como muçulmanos ou matá-las em todo o mundo", disse.

Abedini afirmou que os muçulmanos que acreditam na paz e no respeito vão "se tornar uma nova religião", e "Estado Islâmico, al-Qaeda, Taliban e a República Islâmica do Irã estão praticando o verdadeiro Islã, destruindo igrejas e matando cristãos todos os dias", publicou.

O pastor argumentou que os muçulmanos modernos muitas vezes tentam explicar que a violência e derramamento de sangue e perseguição do governo não é real no Islam. "O interessante é que, se você vai para diferentes países muçulmanos como Shia ou países sunitas, eles lhe dão o mesmo comunicado" ele continuou.

"Então, onde é o lugar que a religião mais completa do mundo é conhecida como Islã (como dizem os muçulmanos) e muçulmanos acreditam que funciona pacificamente em todo o mundo?!" ele perguntou.

Taliban, o grupo dissidente Jamaat-ul-Ahrar assumiu a responsabilidade pelo ataque contra o Paquistão, no domingo, onde a maioria das vítimas eram em sua maioria mulheres e crianças.
O governo do Paquistão prometeu caçar os terroristas islâmicos, enquanto os líderes muçulmanos, como a muçulmana do Conselho Judicial da África do Sul Presidente, Maulana Ihsaan Hendricks, disse que o ataque foi hediondo e covarde.

O ensinamento islâmico no Alcorão afirma que: “Quem matar uma pessoa, é como se tivesse matado toda a humanidade. E quem salva uma vida, é como se tivesse salvo toda a humanidade”, disse Hendricks, argumentando que os grupos de terror se recusam a respeitar este ensino.

Líder muçulmano de Ruanda, Mufti Ibrahim Kayitare, também disse que o Islã não suporta a matança de inocentes. "Os muçulmanos em Ruanda condenam veementemente os recentes atentados terroristas em Bruxelas e no Paquistão. Esses atos não são feitos em nosso nome," Kayitare afirmou.

Evangélicos proeminentes em os EUA, incluindo o reverendo Franklin Graham, alertaram os terroristas islâmicos responsáveis pelos ataques Paquistão de que um dia haverá julgamento. "Os muçulmanos querem a sharia. Eles querem que o mundo inteiro se curvem ao Islã. A Palavra de Deus nos diz que um dia 'ao nome de Jesus se dobrará todo joelho, no Céu e na Terra e sob a terra, e toda língua confessará que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai" (Filipenses 2: 10-11). “Eu sirvo a um Salvador ressuscitado", disse Graham.

veja também