"A Igreja Católica Romana se opõe a todas as formas de contracepção artificial", afirma papa Francisco

O pontífice foi indagado por um jornalista alemão à cerca do uso de preservativos e se mostrou descontente com a pergunta. "Não gosto de fazer reflexões sobre questões casuais, enquanto as pessoas morrem por falta de água e comida"

fonte: Guiame, com informações da AFP

Atualizado: Quinta-feira, 3 Dezembro de 2015 as 6:35

Papa Francisco
Papa Francisco

Durante seu voo de volta para Roma, na última segunda-feira (30) depois de sua visita na África, o papa Francisco foi desafiado por um jornalista alemão sobre a questão do uso dos preservativos. O líder reconheceu "uma perplexidade" da igreja católica sobre esse tema para lutar contra a AIDS. Francisco estimou que este fosse "um dos métodos", mas que a África tinha "feridas maiores".

“Eu só não entendo isso. O que é a Igreja Católica tem contra os preservativos?”, indagou o jornalista. Prontamente, o pontífice respondeu. “Não são apenas os preservativos. A Igreja Católica Romana se opõe a todas as formas de contracepção artificial. A proibição é amplamente ignorada nos países industrializados, mais estritamente nos países em desenvolvimento”, declarou.

O papa argentino foi questionado às vésperas do dia mundial de luta contra a AIDS e se mostrou descontente. "A moral da igreja encontra-se diante de uma perplexidade diante deste problema”, reconheceu. Na África, a AIDS continua sendo a principal causa de mortes.

Assim como seus seguidores, o papa não apoiou o uso do preservativo. "É um dos métodos para evitar a propagação do vírus, mas as relações sexuais devem ser abertas à vida. Não gosto de fazer reflexões sobre questões casuais, enquanto as pessoas morrem por falta de água e comida. Sua pergunta me parece um pouco fechada, uma questão parcial", disse o papa ao jornalista alemão que o entrevistou. "O problema é maior", insistiu, enumerando a desnutrição, o trabalho escravo, a falta de água potável, o tráfico de armas.

Polêmica Antiga

Em 2009, o papa Bento XVI foi muito criticado por suas posições contra o uso do preservativo, durante uma viagem a Camarões e Angola. A hierarquia da Igreja e bastante conservadora na África sobre as questões de moral sexual. Mesmo assim, muitos missionários católicos no continente não proíbem o uso de preservativos nos casos de emergência.

De acordo com Francisco, a oposição da Igreja à contracepção foi formalizada em 1968 pelo Papa Paulo VI na encíclica Humanae Vitae (da vida humana), embora os papas e teólogos anteriores também houvessem se manifestado contra ele. O Papa Paulo disse que "todo e cada ato conjugal deve necessariamente manter a sua relação intrínseca com a procriação da vida humana". A encíclica foi uma resposta ao advento da pílula anticoncepcional e na sequência da anterior Comissão Pontifícia em que se esperava controle de natalidade para liberar o ensinamento da Igreja.

Confira a fala de Papa Francisco em italiano com egendas em inglês

veja também