Igreja dos EUA processa Wal-Mart, após este recusar sua proposta de redução nas vendas de armas

A Trinity Wall Street Church, uma congregação Episcopal fundada no início do século 18, tem procurado a redução da violência armada pela diminuição das vendas de armas de fogo no varejo.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quinta-feira, 12 Fevereiro de 2015 as 9:39

Uma igreja icônica da cidade de Nova York tem continuado a pressionar a maior empresa de varejo dos Estados Unidos ("Wal-Mart") com relação à venda de armas de fogo em determinadas lojas.

A Trinity Wall Street Church, uma congregação Episcopal fundada no início do século 18, tem procurado a redução da violência armada pela diminuição das vendas de armas de fogo no varejo e entrou com uma ação contra o Wal-Mart, após a conhecida rede de supermercados rejeitar a proposta da igreja.

O Rev. James Herbert Cooper, líder da Trinity Church, disse ao "The Christian Post" que a proposta central da ação é "abordar uma lacuna significativa na governança corporativa da Wal-Mart".

"Ela não foi projetada para questionar se o Wal-Mart leva as normas de segurança com armas a sério, para interferir com as operações comerciais normais ou para ditar quais os produtos que a empresa pode ou não podem vender", disse o Rev. Cooper.

"O Conselho de Administração do Wal-Mart tem um papel importante a desempenhar, no interesse do público e de valor a longo prazo para os acionistas, na definição de políticas para orientar as decisões de gestão sobre a venda de produtos que poderiam ser especificamente perigosos para o público, a reputação corporativa e o valor da marca - e cuidar para que tais políticas sejam universalmente aplicadas".

No final de dezembro de 2013, A Trinity Church de NY apresentou uma proposta acionista ao Wal-Mart sobre formas de coibir a venda de produtos que "põem em risco a segurança pública e bem-estar social", "têm o potencial substancial para prejudicar a reputação de [Wal -Mart]", ou "seriam razoavelmente considerados por muitos, ofensivos à família e aos valores integrais da comunidade".

Sendo dona de de US $ 300.000 em ações da Wal-Mart, a Trinity procurou fazer com que a sua proposta fosse adicionada aos materiais de procuração para a consideração da empresa.

Em janeiro do ano passado, o Wal-Mart entrou com um pedido junto à SEC para excluir a proposta.

Em uma decisão de 26 páginas dada em novembro passado o tribunal distrital decidiu em favor da igreja, concluindo que a proposta deveria ter sido parte dos materiais do Wal-Mart.

"Trinity tem mostrado que a sua proposta não deve ser excluída a partir de materiais de proxy do Wal-Mart no âmbito da exceção de negócios ordinária da Regra 14-A-8, ou em qualquer outra base para que o Wal-Mart tem dirigido o tribunal", diz a decisão.

"Trinity será irremediavelmente prejudicada se for novamente privada da oportunidade de colocar a sua proposta diante de acionistas do Wal-Mart para uma votação na próxima reunião anual. Em contrapartida, a concessão de medida cautelar solicitada pela igreja não resulta em um maior prejuízo para o Wal-Mart, à medida que o Wal-Mart se esforça (como deve ser) para incluir todas as propostas de acionistas compatíveis em seus materiais de procuração, e o tribunal determinou que a proposta do Trinity é precisamente válida".

No mês seguinte, o Wal-Mart entrou com um recurso, com o Circuito da Corte de Apelações do Terceiro permitindo a apresentação dos escritos, que deve acontecer na próxima sexta-feira, 13/02.

Segundo Randy Hargrove, porta-voz da empresa Wal-Mart, havia vários problemas com a proposta apresentada pela Trinity.

"A proposta da Trinity iria interferir nas operações de negócios ordinários do Wal-Mart. Ela visa regulamentar decisões diárias do Wal-Mart na casa das centenas de milhares de produtos vendidos em nossas lojas físicas e on-line", disse Hargrove.

"A proposta da Trindade, também seria difícil de implementar porque é vaga e indefinida, junto às categorias altamente subjetivas e vagamente definidas de produtos".

Com relação às vendas de armas, Hargrove disse CP que, quando o Wal-Mart vende armas de fogo, o faz "com segurança e responsabilidade", via normas que "excedem em muito o que é exigido por lei".

veja também