"A Igreja precisa falar sobre sexo", diz pastor e escritor dos EUA

"A Igreja precisa falar sobre sexo", diz pastor e escritor norte-americano

Atualizado: Sexta-feira, 14 Fevereiro de 2014 as 1

"A Igreja precisa falar sobre sexo", diz pastor e escritor norte-americano
O pastor e escritor John Mark Comer lidera uma grande e forte igreja de 6.000 membros em Portland, Oregon (EUA). Ele está sempre disposto a deixar sua igreja aberta ao diálogo, quando se trata de falar sobre sexo e relacionamentos. 
 
Recentemente, John publicou o livro "Loveology" ("Amorologia", em uma tradução livre). O nome é originado de um neologismo, que indica a "Ciência do Amor".
 
Em entrevista ao site "Christian Today", o pastor e escritor falou mais sobre o seu novo livro e a importância das igrejas estarem atentas à importância de se falar mais francamente sobre uma sexualidade saudável.
 
"Eu lidero uma igreja na qual de 60 a 70% da congregação é formada por solteiros, de vinte e poucos anos ou trinta e poucos anos e, por isso, obviamente, esta é uma das questões com as quais eles estão tendo dúvidas - sua sexualidade , o abismo entre o que lêem nas Escrituras e a propaganda de cultura em geral. Isso é obviamente um enorme estímulo", destacou.
 
Mark ainda destacou que tem visto grande diferença entre ensinamentos bíblicos e a visão da sociedade pós-moderna a respeito do casamento. O pastor alertou que a igreja tem se calado quando o assunto é sexualidade.
 
"Descobri que há uma tal divisão entre como o que cultura / sociedade em geral pensa sobre casamento, sexualidade e tudo relacionado a isto, e o que as Escrituras e Jesus têm a dizer sobre o casamento e a sexualidade. Infelizmente, a cultura em geral faz um trabalho fantástico de pregar seu ponto de vista, mas a Igreja tem abordado tão pouco estes assuntos. E então eu acho que é algo sobre o que temos que nos posicionar", alertou.
 
John não dispensou o fato de que a Igreja tem buscado aconselhar casais sobre o valor do matrimônio, mas destacou que ainda falta algo mais.
 
"O que a Igreja tem feito é um ótimo trabalho em se falando de como ter um ótimo casamento, mas este livro não fala sobre isso. Não se trata de casamento, mas sim de algo que deve acontecer só no casamento. É um livro de teologia, por isso é como você pensa sobre o casamento e a sexualidade e todas as outras coisas em torno dessas duas questões. Não é um livro de relacionamento, e é escrito principalmente para pessoas solteiras - embora haja coisas boas eu espero que as pessoas casadas o leiam também. Eu quero ajudar a moldar a visão de mundo da minha geração sobre o casamento e a sexualidade em torno das Escrituras e os ensinamentos de Jesus, dando uma visão subversiva dessas duas coisas em contraste com a propaganda da cultura no momento", disse.
 
Quando questionado sobre os danos que a Igreja pode causar se mantendo omissa em relação à abordagem e o esclarecimento do que pode ser uma sexualidade saudável, o escritor alertou para dois perigos principais.
 
"Acho que duas coisas acontecem: A Igreja não fala sobre sexo nada que vá além do 'não pratica-lo antes do casamento', que cria um clima negativo em torno da sexualidade, em particular. A mensagem subliminar é a ideia de que o sexo é sujo, o que é muito prejudicial. As Escrituras têm uma visão tão elevada da sexualidade... em Gênesis ele é criado por Deus e é chamado de 'muito bom'. Uma das primeiras coisas que lemos sobre Adão e sua esposa é que eles estavam nus e não havia nenhuma vergonha. Temos o Cântico dos Cânticos , que há séculos foi 'alegorizado' e hiper-espiritualizado e explicado, mas eu acredito muito que era um antigo poema de amor judaico sobre a sexualidade entre marido e mulher. O próprio Deus tem uma visão tão elevada sobre o sexo que ele criou, e por isso, quando a Igreja não se junta a Deus para dizer o mesmo que ele está dizendo, a mensagem subliminar é que fica: uma coisa má, suja. Obviamente, não podemos permitir isso. Precisamos ter uma bela imagem da sexualidade", afirmou.
 
Mark alertou para o segundo perigo, John alertou para constantes mensagens subliminares que jovens e adultos solteiros têm recebido da publicidade sobre o assunto
 
"A segunda caricatura da Igreja é que apesar de não falar sobre sexo, a cultura o faz. E então as nossas mentes acabam cheias da grande visão da sobre a sexualidade, que é um tanto diferente - muito narcisista, indulgente, com base em desejos e anseios - e é isso que é importado em nossa visão de mundo, em vez das Escrituras e os ensinamentos de Jesus. Eu acho que é algo sobre o qual a Igreja tem de falar ou vamos acabar com a visão de mundo distorcida, ou uma visão negativa sobre algo que Deus tem uma visão positiva", finalizou.
 
Com informações do Christian Today
 
Tradução: João Neto

veja também