Igrejas se unem em oração, após ataque terrorista matar 70 pessoas no Paquistão

"Deus compassivo, segura as mãos que matam e mutilam; transforma os corações que estão cheios de ódio. Concede Seu forte espírito de paz, que excede o nosso entendimento", diz parte da oração divulgada pela Igreja da Inglaterra.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Terça-feira, 9 Agosto de 2016 as 9:12

Dois grupos islâmicos (Estado Islâmico e Jamaat-ul-Ahrah, uma facção do Taliban paquistanês) reivindicaram a responsabilidade pela explosão.  (Foto: SBS)
Dois grupos islâmicos (Estado Islâmico e Jamaat-ul-Ahrah, uma facção do Taliban paquistanês) reivindicaram a responsabilidade pela explosão. (Foto: SBS)

Um ataque suicida em um hospital no Paquistão, que matou pelo menos 70 pessoas na última segunda-feira (8) foi condenado como um "ato desumano" pelos cristãos do país.

A Comissão Nacional de Justiça e Paz, parte da Conferência Episcopal do Paquistão, divulgou um comunicado que aponta a explosão como um "trágico assassinato" em massa.

"Matar pessoas inocentes é [um] ato desumano e totalmente inaceitável", disse o comunicado.

O ataque ocorreu em um hospital do governo no lado oeste da cidade de Quetta. De acordo com a equipe médica, até 60 dos 70 mortos eram advogados que estavam lá para lamentar a morte do presidente da Ordem dos Advogados de Baluchistan, Bilal Anwar Kasi, que havia sido assassinado na última segunda-feira por homens armados, quando se dirigia para um tribunal.

Dois grupos islâmicos (Estado Islâmico e Jamaat-ul-Ahrah, uma facção do Taliban paquistanês) reivindicaram a responsabilidade pela explosão. No entanto, de acordo com a Reuters, analistas dizem que a reivindicação do Estado Islâmico "é mais convincente".

O diretor de assuntos internacionais do Conselho Mundial de Igrejas, Peter Prove, disse na segunda-feira que está em oração e ofereceu suas condolências às famílias das vítimas.

"Atacar deliberadamente pessoas que se reuniram em um hospital para lamentar a morte do senhor Kasi ressalta a desumanidade e a falência moral de quem planejou e perpetrou o ato [terrorista]", disse Prove.

"Esta atrocidade, como muitos antes dela, exige uma denúncia de todas as pessoas de fé, boa vontade e decência simples, além das orações e apoio às famílias e comunidades afetadas, para o povo e a nação do Paquistão", acrescentou

A Igreja da Inglaterra (Anglicana) também fez uma postagem em seu perfil oficial do Twitter, com uma oração pela paz no Paquistão.

"Deus compassivo e Pai de todos, estamos horrorizados com a violência em tantas partes do mundo. Parece que ninguém está seguro e alguns estão aterrorizados", dizia parte da oração.

"Segura as mãos que matam e mutilam; transforma os corações que estão cheios de ódio. Concede Seu forte espírito de paz - a paz que excede o nosso entendimento, mas muda as nossas vidas, por Jesus Cristo nosso Senhor", acrescentou.

Advogados paquistaneses lançaram nesta terça-feira (9), uma greve nacional em resposta ao ataque, pedindo ao governo que aumente a proteção sobre a população local.

veja também