"Jesus conhece sua dor e não te rejeita", diz missionário que sofreu abuso sexual aos 7 anos

O missionário foi tomado pela vergonha por anos, mas foi libertado depois de confessar o que aconteceu para amigos e líderes.

fonte: Guiame, com informações do Charisma News

Atualizado: Quinta-feira, 25 Maio de 2017 as 2:17

J. Lee Grady dirige uma organização cristã que leva Jesus para mulheres e meninas que sofrem abuso. (Foto: Reprodução).
J. Lee Grady dirige uma organização cristã que leva Jesus para mulheres e meninas que sofrem abuso. (Foto: Reprodução).

Quando J. Lee Grady era só um menino, algo vergonhoso aconteceu e ele fez questão de esconder isso por muitos anos e isso impedia que ele pudesse ser livre da vergonha. Durante um acampamento de verão no Alabama, ele se encontrou numa situação para lá de abusiva.

“Um garoto mais velho que eu considerava um amigo me levou para o bosque e abusou sexualmente de mim. Ele então me trouxe para dentro de uma casa perto do lago do acampamento para mais abusos”, contou.

“Não havia penetração no abuso e nem foi fisicamente doloroso, mas acabou criando uma profunda cicatriz emocional. Era como se minha alma de sete anos fosse marcada com um ferro quente. Eu nunca falei sobre o incidente com ninguém depois que aconteceu. Eu enterrei o trauma para que ninguém soubesse”, confessou.

"Fiquei feliz quando minha família se mudou do Alabama para que eu nunca precisasse ver aquela casa no lago novamente. Mas a lembrança me seguiu como uma sombra. Eu tinha aversão a mim mesmo, medo de exposição, confusão sexual e profunda inferioridade. Quando adolescente, gastei muita energia tentando convencer meus amigos de que estava bem, mas no fundo, eu ainda temia estar dilacerado por dentro”.

O início da cura

“Minha cura começou aos 18 anos, pouco antes da faculdade, quando eu pedi a Jesus para me encher com o Espírito Santo. Deus tirou de mim camadas de vergonha quando ouvi a voz do Pai e experimentei Seu amor incondicional. Quando me casei e comecei uma família, a sombra do abuso havia se retirado”, disse.

“Eu encontrei mais cura quando eu contei, para alguns mentores e amigos, sobre o abuso. Eu tinha medo de que eles recuassem e me rejeitassem (a maioria das vítimas de abuso espera essa resposta), mas eles expressaram amor. A transparência trouxe liberdade. No entanto, uma fina camada de vergonha ainda existia. Mesmo que eu estivesse envolvido no ministério de tempo integral naquela época, eu lutava com certos pensamentos. Eu parecia confiante e bem sucedido para os outros, mas eu não gostava de mim”, comentou.

Renovo

“Há alguns meses, depois de me mudar para a Geórgia, eu percebi que o acampamento onde o abuso aconteceu ficava perto. Quando eu disse isso para o meu amigo James, ele sugeriu que nós fossemos lá para orar. Durante o trajeto eu me senti desconfortável. Havia 50 anos desde o incidente, mas o lugar parecia exatamente como eu me lembrava.

“James e eu ficamos orando e ninguém mais estava na propriedade. Ele me pediu para lembrar novamente do que aconteceu naquele lugar. Então, acrescentou: ‘O Senhor estava lá quando aconteceu esta coisa horrível, pergunte ao Senhor o que Ele está lhe dizendo’”.

“Naquele momento de paz, eu podia ver o interior da casa escura, com coletes salva-vidas, cordas e canoas penduradas nas paredes. Eu vi Jesus de pé perto de um menino assustado. Ele disse: ‘Eu não vou deixar isso acabar com você’”.

Revelação

“Essas palavras tiraram muito peso da minha mente. Jesus não estava me repreendendo. Ele tinha vindo em meu socorro. Ele estava me defendendo. Ele estava me prometendo que o plano do inimigo de destruir minha vida não prevaleceria. Eu sabia, a partir desse momento, que minha experiência com o abuso não tinha absolutamente nenhum controle sobre mim”.

“Se você passou por abuso sexual, você não tem que esconder seu segredo e vergonha. Jesus conhece sua dor e seu embaraço. Ele não o rejeita ou te mantém afastado. Traga a sua vergonha para a presença de Deus e deixe Seu forte abraço curar sua ferida”, finalizou.

J. Lee Grady foi editor do site Charisma News por 11 anos antes de se lançar em ministério, em tempo integral, em 2010. Hoje ele dirige a The Mordecai Project, uma organização cristã de caridade que está levando a cura de Jesus para mulheres e meninas que sofrem abuso e opressão.

veja também