John Piper: "Quem aprende a vencer o pecado com Cristo, pode enfrentar tudo"

O teólogo John Piper fez um alerta aos pais sobre a importância de ensinar aos filhos o que é o pecado, o inferno, a morte e como é possível vencer tudo isto pelo poder de Deus.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quinta-feira, 4 Maio de 2017 as 12:56

John Piper. (Foto: Desiring God)
John Piper. (Foto: Desiring God)

O teólogo evangélico John Piper disse que os pais precisam ensinar aos seus filhos sobre os horrores do inferno, como uma forma de mostrar a glória de Deus e o julgamento final, que se aproxima.

Piper, que já foi pastor da Igreja Batista Bethlehem, em St. Paul, Minnesota, respondeu a uma pergunta na última quarta-feira (3), em seu site 'Desiring God', enviada por um pai preocupado com o que ele deve dizer ao seu filho, que tem "muito medo" da morte e de falar sobre o inferno.

O teólogo disse ao pai, Michael, que é melhor que seu filho tenha algum medo do inferno, em vez de não ter medo algum.

"Deus não pretende que os Seus filhos experimentem o inferno como um fim, mas vejam a advertência sobre o inferno como um meio de esclarecer e estabelecer essas cinco grandes realidades. Isto é verdade para um menino de 6 anos e é verdade para alguém de 60. Olhe para este momento, Michael, na vida da criança como uma oportunidade de ouro para ensinar-lhe muitas coisas maravilhosas", disse Piper.

Ele então listou cinco "grandes realidades" sobre o inferno, primeiro indicando que o medo do inferno "é uma oportunidade de ouro para olhar a Deus como glorioso e totalmente real".

"A razão pela qual o inferno é tão terrível é porque Deus é tão grande, que quem O despreza se mostra tão mau, que merece esse terrível castigo", argumentou.

"Em outras palavras, o horror do inferno é um sinal sobre o infinito valor e preciosidade e beleza e bondade e justiça de Deus. Se Deus fosse pequeno, o inferno seria morno, suave. Mas como Deus é grande, quem O despreza, comete algo horrível".

Em seguida, Piper disse que falar sobre este assunto também se torna uma grande oportunidade para ensinar as crianças sobre a gravidade do pecado.

"O inferno é o resultado de uma vida de pecado e, portanto, uma criança precisa entender o que realmente é o pecado. O pecado está relacionado a tudo que fica aquém da glória de Deus, ou seja, atitudes como não ver a Deus como glorioso, se recusar a honrá-Lo, agradecê-Lo, segui-Lo, louvá-Lo, glorificá-Lo", explicou.

Em terceiro lugar, ele disse que o medo do inferno também pode ser usado para trazer a consciência de uma criança à "realidade e justiça do juízo final de Deus".

"Que presente maravilhoso para uma criança, poder crescer profundamente convencido que o mundo inteiro enfrentará o julgamento um dia. Isto dará seriedade à vida da criança. Os pais preocupam-se demais com o perigo de que seus filhos sejam infelizes, com medo do julgamento, quando devem se preocupar sobre a felicidade dos seus filhos, sem medo do julgamento", explicou.

Na quarta "verdade", Piper disse que a chave para tudo é usar a oportunidade "para magnificar a cruz de Cristo".

"Que momento de ouro para as crianças, se encontrarem e conhecerem o Cristo vivo e as glórias do que Ele alcançou na cruz. A solução para o medo de nossos filhos não é esconder o inferno, mas revelar-lhes Jesus Cristo e a cruz", disse ele.

"Nós devemos estar preparados para pintar as realizações da cruz em tais cores pródigas, de modo que elas ofusquem o medos do inferno."

Finalmente, o teólogo insistiu que o medo do inferno pode ensinar uma criança a viver uma "vida destemida de fé".

"Se você pode ensinar o seu filho sem medo sobre o inferno, com base na morte e na ressurreição de Jesus, você lhe dará total base para ele não ter medo da vida", aconselhou.

"Faça dele (ou dela) um guerreiro(a), porque não há nada maior que eles possam enfrentar. Nada os ameaçará mais do que o pecado, a morte e o inferno".

Piper concluiu: "Se eles aprenderem a vencer o pecado, a morte e o inferno através de Cristo, então eles podem enfrentar qualquer coisa."

veja também