Maioria dos evangélicos dos EUA não concordam com a mudança de sexo, diz pesquisa

As pessoas que se identificaram como evangélicas representam quase o dobro (61%) em relação aos não-evangélicos (32%) ao dizer que o uso de hormônios ou cirurgia para mudar de sexo é moralmente errado.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Sexta-feira, 15 Julho de 2016 as 4:56

A pesquisa da Lifeway entrevistou 1.000 americanos em setembro de 2015. (Foto: Reuters).
A pesquisa da Lifeway entrevistou 1.000 americanos em setembro de 2015. (Foto: Reuters).

Evangélicos americanos estão em desacordo com o resto da população quando se trata de questões de gênero. É o que diz uma nova pesquisa da Lifeway. Segundo os resultados, mais da metade dos cristãos evangélicos - exatamente 54% - disse que era errado "se identificar com um gênero diferente”. Este valor foi menor dentro da comunidade católica, onde 26% disseram que era errado. Já entre as pessoas não-religiosas este número cai para 20%.

As pessoas que se identificaram como evangélicas representam quase o dobro (61%) em relação aos não-evangélicos (32%) ao dizer que o uso de hormônios ou cirurgia para mudar de sexo é moralmente errado.

O diretor executivo da Lifeway, Scott McConnell, disse: "Os cristãos evangélicos são claramente uma minoria sobre esta questão". A maioria dos americanos não percebem um significado moral em nascer homem ou mulher. McConnell ainda ressalta: "A maioria dos americanos rejeitam a visão de um criador que oferece um gênero que não pode ser mudado”.

"É moralmente errado uma pessoa se identificar com um sexo diferente do qual você nasceu?", questiona parte da pesquisa. (Foto: Reprodução/Lifeway).

"Nós podemos fazer diversas alterações de forma livre em nós mesmos. Temos a cirurgia plástica, usamos formas de deixar os dentes mais brancos, formas de pintar o cabelo, fazer tatuagens. Então, muitos americanos visualizar o gênero como mais um item dessa lista.

"Isso reflete uma visão de mundo em transformação", acrescentou. "Uma porcentagem crescente de americanos não acredita em ‘certo e errado’. Eles não acreditam que exista uma verdade absoluta. E se não há nenhuma verdade absoluta, então eles são relutantes em falar sobre moralidade", contou.

A pesquisa da Lifeway entrevistou 1.000 americanos em setembro de 2015.

veja também