Mark Driscoll e a violência dentro de mim

Com tudo o que está sendo dito e com a longa fila de pessoas afetadas negativamente por suas ações passadas, seria fácil comemorar sua queda. Mas, na realidade, ele não é o único quebrado, todos nós somos ... Eu sei que eu sou.

fonte: Guiame

Atualizado: Terça-feira, 26 Agosto de 2014 as 11:44

Mark Driscoll e a violência dentro de mimComo eu tenho certeza que a maioria de vocês sabem, Mark Driscoll deu algumas notícias à sua congregação, Mars Hill Church, em Seattle, no último domingo (24/08). No mínimo, ele deixará seu cargo por 6 semanas, enquanto a liderança da Igreja navega em numerosas investigações em torno de sua conduta ao longo dos últimos anos.

A maioria concorda que sua liderança trouxe muitos danos. Ele admitiu isso e assegurou que a sua decisão de "se demitir" foi muito necessária para todos os envolvidos.

Com tudo o que está sendo dito e com a longa fila de pessoas afetadas negativamente por suas ações passadas, seria fácil comemorar sua queda. Mas, na realidade, ele não é o único quebrado, todos nós somos ... Eu sei que eu sou.

Quando celebramos crítica ou piedosamente a queda do outro, o que isso nos diz sobre o estado de nossa alma individual e coletiva?

Estive lendo uma biografia incrível de John Deer. É a sua história como jesuíta pacificador não violento e líder comprometido com a vida, os ensinamentos e reinado de Jesus. Ele fez algumas coisas ousadas em sua vida, "em nome de Jesus": se posicionou contra esquadrões da morte na América Central, protestou contra a dependência da América ao armamento nuclear no Pentágono, viveu entre os pobres e esquecidos em cantos escuros das grandes cidades, etc.

Mas, ao longo de sua vida, por vezes, se viu chamando a violência para outros a partir de um local insalubre. Um lugar de violência dentro de si mesmo. Nesses momentos, ele imediatamente fechou a boca, parou suas ações e foi para Jesus. Retiros de silêncio. Conselho. Escritura. Oração.

Ele disse que até que ele confrontasse a violência dentro de si mesmo, ele não poderia enfrentar a violência deste mundo. Em outras palavras, se ele não colocasse na sua identidade, em primeiro lugar, quem ele é como um filho do Pai, ele não estaria apto a dizer qualquer coisa construtiva por amor.

Como já visto, em primeira mão, as implicações de uma liderança fraca e caráter de Driscoll, minha primeira resposta não pode ser para julgar ou mesmo para comemorar sua queda. Não, a minha única resposta é enfrentar a "violência" dentro de mim, que iria julgar ou celebrar sua queda. Eu tenho que examinar áreas na minha própria vida, onde a minha liderança e caráter são falhos. Eu tenho que - mais uma vez - reorientar a minha vida e identidade como filho do Pai, que me chama a viver no caminho do Jesus, crucificado e ressuscitado.

Portanto, neste momento em que as falhas de Mark estão em exibição nacional, vou usar este tempo para analisar minhas falhas pessoais. No fim das contas, eu sou tão preso como ele é, então eu suponho que, sem um entendimento saudável da minha identidade e uma comunidade de confiança para me lembrar continuamente disso, a queda de Mark poderia ser também a minha ruína.

Podemos tropeçar na cruz juntos e permitir o mistério da Ressurreição de respirar nova vida nas pessoas e em lugares inesperados ... começando comigo.

Por John Huckins - Co-fundador e diretor do "Global Immersion Project", que visa treinar e amadurecer a liderança em missionários.

*Tradução por João Neto - www.guiame.com.br 

veja também