Médico é demitido após pregar sobre homossexualidade em sua igreja

Walsh tem um diploma de médico, doutorado em saúde pública e foi nomeado para o Conselho Consultivo Presidencial do presidente Obama sobre o HIV / SIDA contratado no início de maio de 2014.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Sexta-feira, 22 Abril de 2016 as 10:20

A ação de Walsh está no meio de uma batalha legal contra a cidade. (Foto: Reprodução/Facebook).
A ação de Walsh está no meio de uma batalha legal contra a cidade. (Foto: Reprodução/Facebook).

Um especialista em saúde pública que é pastor da Igreja Adventista do Sétimo Dia nos Estados Unidos foi demitido pelo Departamento de Saúde Pública (DSP) da Geórgia depois que funcionários públicos foram designados para vigiar e avaliar o conteúdo de seus sermões no YouTube. As informações são dos documentos oficiais do Governo.

Na última quarta-feira (20), o “The First Liberty Institute” anunciou que entrou com uma ação em nome de Eric Walsh contra o DSP, alegando que ele foi despedido pela agência sobre questões relacionadas ao conteúdo de seus sermões sobre a homossexualidade.

Como é ilegal, de acordo com a Lei de Direitos Civis de 1964, tomar decisões de emprego com base na religião, documentos e conversas de e-mail foram obtidos pela The First Liberty Institute através do Freedom of Information Act e eles parecem revelar uma série de acusações condenatórias contra o DSP.

De acordo com um e-mail obtido, Walsh, que tem um diploma de médico, doutorado em saúde pública e foi nomeado para o Conselho Consultivo Presidencial do presidente Obama sobre o HIV / SIDA, foi contratado no início de maio de 2014 para começar a trabalhar na agência em 16 de junho de 2014.

Mas, como a controvérsia já havia rodeado pontos de vista conservadores de Walsh sobre o casamento na Califórnia, quando ativistas LGBT protestaram sua seleção como orador de formatura na Pasadena City College. Os documentos indicam que os funcionários do DSP decidiram realizar uma investigação sobre a sua própria visão sobre o casamento.

Registros

De acordo com um e-mail de 14 de maio de 2014 que foi enviado por Lee Rudd, executivo de recursos humanos do DSP, mostrou que um número de funcionários foi especificamente designado para passar algumas horas ouvindo o conteúdo dos sermões de Walsh.

"OK ... Eu tenho uma tarefa para muitos de nós. Temos de ouvir seus sermões no YouTube [sic] esta noite. Se passarmos algumas horas, então devemos cobrir nossas bases", escreveu Rudd. "Vou recorrer Dwana [príncipe] para nos ajudar. Kate [Pfirman, Diretor Financeiro do DSP] vai ouvi-los também".

Após a revisão, o processo alega que a reunião foi "organizada às pressas" no dia seguinte por funcionários para discutir os sermões e o futuro de Walsh com o departamento.

O processo afirma que "a intenção ilegal e discriminatória do dia 15 de maio de 2014 em reunião compelida pela DSP adverte não uma, mas duas vezes, durante a mesma reunião que sob a lei federal de crenças religiosas, o Dr. Walsh não poderia desempenhar nenhum papel em qualquer decisão de emprego pelo DSP”.

A Fox News relatou que um outro funcionário havia dito que Walsh deve ser contratado com base em suas qualificações.

"Existem provas claras de que ele é um excelente diretor de saúde", o funcionário disse de acordo com um documento obtido pela The First Liberty Institute. "Se nós não contratarmos o candidato com base na evidência de desempenho no trabalho e desqualificá-lo com base em discriminação por aqueles que buscam fazer avançar a sua própria agenda e fazer-lhe mal, eu acredito que não somos melhores do que eles", afirmou.

Apesar dos avisos, os funcionários decidiram durante ou após a reunião que iria encerrar a oportunidade de emprego de Walsh. Em 16 de maio de 2014, a oferta de trabalho de Walsh foi rescindida oficialmente.

"Eu não podia acreditar que eles me demitiram por causa de coisas que eu falei em meus sermões", disse Walsh, em comunicado. "Foi devastador. Eu não consegui mais um emprego em saúde pública desde então. Ao rever meus sermões, me demitiram por causa de minhas crenças religiosas. O Estado da Geórgia destruiu a minha carreira no serviço público", desabafou.

Apesar dos documentos obtidos, o DSP nega que a religião desempenhou qualquer papel na sua decisão de rescindir a sua oferta de emprego, alegando que Walsh violou a lei da Califórnia e da Geórgia ao não revelar uma fonte secundária de renda.

A ação de Walsh bem como do ex-chefe de Atlanta Kelvin Cochran está no meio de uma batalha legal contra a cidade após ele alegar que foi demitido por causa da preocupação do prefeito sobre uma breve seção sobre a homossexualidade em um livro que ele escreveu para o seu estudo da Bíblia.

"A esquerda costumava dizer que não estava preocupada com o discurso cristão nos cultos. Em vez disso, ele só estavam focados em ‘acabar com a discriminação’", escreveu David French, colunista a National Review. "Mas agora a esquerda é o discriminadora, visando expurgar os cristãos da vida pública".

veja também