Mesmo tendo conflitos contra Israel, Irã é um dos países que mais abriga judeus no Oriente Médio

O governo atribuiu aos judeus um ‘status secundário’ diferente dos muçulmanos, mas ainda comemora sua presença como parte da tolerância do Irã.

fonte: Guiame, com informações de NPR

Atualizado: Sexta-feira, 20 Fevereiro de 2015 as 6:10

 

No Irã, é muito comum ver pessoas cantando: "Morte a Israel!". Por outro lado, o país é lar da maior população judaica no Oriente Médio, depois de Israel e Turquia.

A população judaica no Irã era composta por 100 mil pessoas nos anos antes da revolução islâmica no país, em 1979. Hoje, o número de judeus está abaixo dos 9 mil.

O governo atribuiu aos judeus um ‘status secundário’ diferente dos muçulmanos, mas ainda comemora sua presença como parte da tolerância do Irã. Diante disso, a questão que surge é: Por que milhares de judeus ainda estão no Irã?

“O Irã é um país de paradoxos inacreditáveis", diz Siamak Moré Sedgh, um judeu que é membro do Parlamento do Irã. “O Irã tem uma das maiores comunidades judaicas no Oriente Médio, mesmo sendo o país com o maior problema político com Israel.”

“Judaísmo não é sionismo”

Moré Sedgh explica que os judeus iranianos são iranianos. Eles ficam porque é seu país. Ele também afirma que o judaísmo não é o mesmo que o sionismo –movimento que defende o direto dos judeus de terem sua pátria na Terra de Israel.

"Há uma grande diferença entre ser um judeu e ser sionista", diz ele.

O povo secundário

Moré Sedgh conta que os judeus evitam desafiar abertamente a República Islâmica, diante de sua categoria secundária. O parlamentar explica que eles podem praticar livremente sua fé e votar, mas não pode conter um alto cargo no governo.

Gradualmente, os judeus iranianos tem pressionado o país por mais direitos. Recentemente, eles ganharam permissão para manter seus filhos fora da escola no sábado judaico.  Moré Sedgh diz que gostaria que os judeus pudessem, algum dia, servir em cargos ministeriais ou como juízes.

"Não é um problema que afeta a nossa vida no dia-a-dia, mas nós pensamos que as pessoas com bom conhecimento e um alto grau de habilidade, mesmo fazendo parte de uma minoria religiosa, pode ajudar o Irã a ser um país melhor", diz ele.

A verdade é que todo o Oriente Médio está passando por uma grande e brutal triagem de religiões. De país em país, os cristãos são expulsos, os judeus são empurrados para Israel, grupos como Yazidis são direcionados pela auto-declaração do Estado Islâmico, muçulmanos sunitas empurram para fora os xiitas, e xiitas empurram para fora os sunitas. Ainda assim, os judeus no Irã estão diariamente resistindo a essa tendência.

veja também