"Minha esperança foi restaurada", diz cristã etíope que teve marido morto por perseguição religiosa

Com sete filhos, o casal era muito respeitado na comunidade cristã e contribuiu bastante para o bom desempenho de uma igreja na Etiópia.

fonte: Guiame, com informações do Portas Abertas

Atualizado: Quinta-feira, 28 Julho de 2016 as 10:26

A Missão Portas Abertas amparou Sintayehu e atualmente, ela afirma ter a convicção de que Deus transforma a tristeza em alegria. (Foto: Reprodução).
A Missão Portas Abertas amparou Sintayehu e atualmente, ela afirma ter a convicção de que Deus transforma a tristeza em alegria. (Foto: Reprodução).

Há sete anos, a cristã etíope Sintayehu (nome alterado por motivos de segurança), ficou viúva. Desde esse dia, sua vida não tem sido fácil, mas apesar das dificuldades que tem enfrentado, ela nunca pensou em desistir de sua fé em Cristo. Markos (nome também alterado) foi seu esposo e antes dele morrer, vítima de perseguição religiosa, sua família vivia bem. Ele era dono de um restaurante, um importante homem de negócios.

Com sete filhos, o casal era muito respeitado na comunidade cristã e contribuiu bastante para o bom desempenho de uma igreja na Etiópia, por mais que eles enfrentassem a crescente hostilidade dos seguidores extremistas do islã. O país ocupa a 18ª posição na atual Classificação da Perseguição Religiosa.

Para além da dor emocional de perder seu marido, Sintayehu precisou lidar com lutas que iam muito além de suas forças. Ela teve que enfrentar uma séria dificuldade financeira, já que o lucro do restaurante foi roubado no momento do assassinato. De acordo com alguns amigos próximos, o ato violento foi uma vingança pós-Ramadã, pelo fato dos extremistas saberem que Markos doou uma quantia em dinheiro para a igreja.

Desde então, a Missão Portas Abertas amparou Sintayehu e atualmente, ela afirma ter a convicção de que Deus transforma a tristeza em alegria. Ela ainda passa por dificuldades, pois depois de tentar reabrir o restaurante, só conseguiu mais dívidas em vez de lucro. Apesar de tudo isso, ela se considera uma vencedora.

Problema com os filhos

Os militantes islâmicos continuaram a perseguir a família, então, ela teve que se mudar para outra cidade. Também teve alguns problemas com os filhos; ela conta que o mais velho ficou rebelde durante um tempo, após a perda do pai. Outro filho decidiu parar os estudos e abrir um pequeno negócio para colaborar com a renda da casa.

Além disso, ela perdeu um dos filhos em uma explosão acidental no trabalho. Outro se envolveu num acidente de carro em que duas pessoas morreram, e ele foi condenado a 15 anos de prisão por homicídio culposo.

Esperança Restaurada

Apesar de um cenário não favorável, Sintayehu declara que tem visto as misericórdias do Senhor. “A presença de cada um de vocês em meus momentos de dor são as respostas de Deus às minhas orações. Minha esperança foi restaurada com a presença dos irmãos, de várias formas, tanto através das visitas quanto pelas cartas que recebi (uma campanha especial de cartas e cartões foi realizada para a família). Disso eu nunca vou me esquecer”, disse.

“Saber que tantos irmãos de outros países dedicaram o seu tempo para escrever algumas palavras para uma família etíope, de uma aldeia tão distante, que nem sequer conhecem, foi algo novo e maravilhoso para mim. Meu coração é muito grato a Deus pela vida de todos vocês”, finaliza Sintayehu. Ela pede para que continuem orando por ela.

veja também