Ministro da Saúde promete revogar portaria que autorizaria aborto no Brasil

A medida iria autorizar procedimentos abortivos e a "antecipação terapêutica do parto", fixando valor de R$ 443,30 a ser reembolsado aos hospitais que realizassem o aborto.

fonte: Guiame

Atualizado: Quinta-feira, 29 Maio de 2014 as 2:40

Ministro da Saúde promete revogar portaria que autorizava abortoNa última quarta-feira, 28/05, o ministro da Saúde, Arthur Chioro prometeu revogar a portaria 415, que iria autorizar procedimentos abortivos e a "antecipação terapêutica do parto", fixando valor de R$ 443,30 a ser reembolsado aos hospitais que realizassem o aborto.

O líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (RJ) comentou que havia alertado o Chioro a respeito dos efeitos desta portaria.

“Ontem (27), recebendo o ministro da Saúde na Liderança do PMDB, alertei que estava ingressando na Câmara dos Deputados com um projeto de decreto legislativo para revogar a portaria 415 do ministério. Alertei a ele que pelos termos da portaria ela estaria legalizando o aborto ilegal. Nesta quarta (28), o ministro me procurou para comunicar que estudou a portaria editada por uma secretaria do Ministério e entendeu que havia falhas. Logo resolveu revoga-lá para melhor estudá-la. Quero deixar aqui registrado o agradecimento ao ministro pela compreensão do tema e pela decisão tomada de revogação da portaria 415. Certamente, após estudá-la, ele deverá apresentar alguma nova proposta ou nova portaria nos estritos termos da legislação vigente”, disse.

Também conhecido por sua batalha em favor dos valores cristãos e da família, o senador Magno Malta também se manifestou em um discurso na Casa Civil contra a portaria 415, na última terça-feira, 27/05.

"Chamo a atenção para que nós cristãos, que entendemos o aborto como uma afronta à natureza de Deus, nos levantemos, nos insurjamos e exijamos que essa portaria seja revogada" pediu.

Nesta quarta-feira, 28/05, Malta publicou um vídeo que está sendo reproduzido pelas redes sociais, no qual comemora a promessa de revogação da proposta.

"As investidas foram muitas, mas nós resistimos! Parabéns à frente evangélica, à frente da família, que eu tenho orgulho de presidir, parabéns até àqueles que, independente de sua confissão de fé, acreditam na vida, como nós acreditamos", celebrou.

Com informações do Portal Eduardo Cunha

www.guiame.com.br 

veja também