Missionários arriscam suas vidas para ajudar crianças afligidas pelo Estado Islâmico

Um garoto viu seus pais morrerem na sua frente. Sua vó diz que ele era uma criança feliz até aquele dia. Com o passar do tempo ele não falava mais, só gritava. O ministério está tentando ajudar crianças como esta.

fonte: Guiame, com informações do site Gospel Herald

Atualizado: Quinta-feira, 18 Agosto de 2016 as 12:54

O ministério costuma chegar nos campos lotados de refugiados com centenas de caixas com alimentos. (Foto: AFP).
O ministério costuma chegar nos campos lotados de refugiados com centenas de caixas com alimentos. (Foto: AFP).

Trabalhadores cristãos no sul da Turquia estão agindo incansavelmente para ajudar crianças que foram traumatizadas pelos horrores praticados pelo grupo terrorista Estado Islâmico, mesmo enfrentando risco de vida.

A Turquia tem sido inundada por mais de dois milhões de refugiados que estão fugindo de uma guerra civil, na Síria e no Iraque. Esse número pode chegar a três milhões até o final do ano, de acordo com a Syria Regional Refugee Response (Resposta Síria para os Refugiados, em tradução livre).

Um turco que lidera um ministério indígena disse ao site Christian Aid Mission que a maioria dos refugiados nos campos são mulheres e crianças. Essas mulheres configuram cerca de um quarto das mães que perderam seus maridos na guerra ou por atrocidades jihadistas.

"Tem um menino que viu seus pais sendo mortos na frente dele", disse o diretor turco. "Sua avó diz que ele era uma criança feliz até aquela noite. Agora ele acorda toda noite gritando. Com o passar dos dias, ele parou de falar. Agora ele só grita", relatou.

Ele revelou que não conseguiu dormir por uma semana, depois de ver duas crianças refugiadas dormindo com moscas em suas bocas, olhos, ouvidos e narizes. O pai delas havia desaparecido e a mãe se sentiu impotente contra a multidão de moscas na área.

"Eu simplesmente me sentei e disse: 'Senhor, por que você está mostrando isso para mim?'. Ele me mostrou isso para que eu pudesse ajudá-los".

"Meu coração está ferido depois que eu vi crianças ficando deficientes porque elas não poderiam ir a um hospital", disse ele. "Um bebê faleceu por não ter uma transfusão de sangue. Tem noite que eu não consigo dormir", lamentou.

O ministério costuma chegar nos campos lotados de refugiados com centenas de caixas com alimentos, roupas e água para ajudar as pessoas que vivem em tendas. O ministério relatou que existem muitos deficientes, por causa dos relacionamentos entre familiares, como primos próximos. Além disso, eles sofrem mutilação por terroristas.

"Imagine seus filhos morrendo na sua frente, porque você não pode alimentá-los ou levá-los para o hospital", disse o diretor. "Essas pessoas não podem levar pão para alimentá-los. Nós estamos vivendo em um inferno quando vemos essas pessoas e não podemos ajudá-los", comentou.

Evangelismo

Além da contribuição física e social, o ministério trabalha para compartilhar o Evangelho. Depois de fornecer ajuda por uma semana, eles querem incluir Bíblias na caixa de ajuda na próxima semana. Quando eles perguntam se podem fazer isso, a resposta é sempre "sim".

Alguns refugiados estão sendo levados para as orações. "Com todo o meu coração e alma, eu recebo a Cristo como Senhor e Salvador", dizem eles. O grupo já presenciou 112 pessoas colocando sua fé em Jesus, além de 20 batizados. Por causa dos perigos nos campos, os batizados refugiados se mudaram para três casas seguras com o objetivo de serem discipulados, enquanto os outros permanecem como “cristãos secretos” nas tendas.

"Estamos arriscando nossas vidas para compartilhar o evangelho com eles, mas não queremos arriscar a vida deles", acrescentou. "Depois que receber Jesus Cristo, eles ficam em perigo. Assim, em uma casa segura, temos 12 membros de uma família que receberam a Jesus, mas eles estão vivendo em um quarto", conta.

Atualmente, o ministério está buscando ajuda para comprar mosquiteiros para barrar as moscas e mosquitos. Os mosquiteiros custam cerca de 30 dólares (o grande) e 5 dólares (o pequeno). Para saber como ajudar, visite o site da Christian Aid Mission.

veja também