Morgan Freeman explora os milagres no episódio final de "A História de Deus"

O ator se aproxima do Vaticano, onde ele se encontra com um monsenhor para saber mais sobre o processo de santidade. Como ele aprende na prática, ele é informado de que é impossível compreender Jesus se você não acreditar em milagres.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Segunda-feira, 9 Maio de 2016 as 9:46

"Os crentes dizem que milagres são a prova do divino", Freeman diz. (Foto: National Geographic).
"Os crentes dizem que milagres são a prova do divino", Freeman diz. (Foto: National Geographic).

No último episódio da série da National Geographic, "A História de Deus", Morgan Freeman, o ator de Hollywood guarda o melhor para o seu esforço sentimental em descobrir a perspectiva dos milagres.

Freeman começa o capítulo final de "A História de Deus" com o título "Milagres". Foi assim que ele começou a cada episódio, através da partilha de sua própria experiência. O nativo de Mississippi fala de um tempo durante a sua adolescência, quando ele se encontrou no hospital com pneumonia e sofreu uma hemorragia por causa do esforço excessivo. Sua recuperação é exatamente sua própria experiência pessoal com milagres e ele diz que muitas pessoas lhe disseram que foi Deus que o salvou.

"Os crentes dizem que milagres são a prova do divino", Freeman diz, como sua jornada começa. Os telespectadores desse episódio aprenderam sobre a história notável de Alcides Moreno, um homem que caiu de 47 andares, cerca de 500 pés, de um arranha-céus de Nova York e sobreviveu. Mesmo que ele tenha passado por várias cirurgias e passado três semanas em coma, sua recuperação é de longe a história mais convincente compartilhada no final do documentário em forma de série.

Com essa sobrevivência, ele declarou um milagre. O ex-lavador de janelas revelou que ele tinha dificuldade em aceitar isso, porque seu irmão mais novo morreu durante a queda. Ele, no entanto, acredita que Deus lhe deu uma segunda chance e disse que está buscando a Deus na direção em que ele está destinado a fazer neste mundo.

"Para os cristãos, os milagres são a prova de que a vida não é aleatória, eles acreditam que Deus intervém no mundo por uma razão", explica Freeman. Ao longo de sua jornada em encontrar respostas sobre o poder dos milagres, o vencedor de Oscar viaja para cidades em toda a Índia, Itália, Egito, Oriente Médio e Estados Unidos.

A Páscoa

Neste último episódio, Freeman vai a Jerusalém, onde ele se junta a celebração da Páscoa com a primeira “rabino” do sexo feminino nascida israelita, Maya Leibovich. Lá ele espera descobrir a verdade sobre a intervenção divina. Ao comemorar a Páscoa com Leibovich, Freeman descobre a razão para a Páscoa explicada em Êxodo 12.

Para os judeus, a Páscoa é uma observação muito significativa em honra das coisas milagrosas que foram feitas para eles. O anjo da morte passando por cima e a abertura do mar que salvou o povo judeu e os ajudou a fugir da escravidão no Egito durante o mês de Nissan, que vem da palavra Nissi, que por sua vez significa milagres.

Rabi Leibovich disse para Freeman que "a Bíblia não é um livro de história, mas sim um livro de ideias".

O ator se aproxima do Vaticano, onde ele se encontra com um monsenhor para saber mais sobre o processo de santidade. Como ele aprende na prática, ele é informado de que é impossível compreender Jesus se você não acreditar em milagres.

O episódio avança e Freeman questiona se a mão divina existe ou se as coisas simplesmente acontecem por acaso. Ele atesta que, enquanto um menino pobre jovem, ele acreditava que poderia se tornar um ator de sucesso e ele se tornou. O ator de 72 anos questiona as maravilhas que estavam por trás do ponto de virada da sua vida em 1989, quando seus sonhos se tornaram realidade e quando ele foi destaque nos filmes “Lean on Me", "Driving Miss Daisy" e "Glory".

Milagres feitos por mãos humanas?

Em sua busca para encontrar respostas, Freeman explora darwinismo chinês, que tem o seu próprio mapa de astrologia que determina o destino. Ele estava encantado com a sua crença em feng shui, que afirma que tudo está conectado. Ele diz a hipótese de que, "a mente humana poderia ter um poder oculto para desencadear um milagre".

Em sua próxima parada no Cairo, Freeman descobre que no Islã, a cura e a medicina caminham lado a lado com a vontade de Deus. "A História de Deus", em seguida, segue para o médico e pastor Tom Renfro, um médico muito respeitado de Norton, Virginia que foi diagnosticado com linfoma. Ele sofreu falência múltipla de órgãos e isso deveria fazer ele morrer, mas isso não aconteceu.

Visualmente, Renfro credita sua fé na sua sobrevivência. Renfro fala sobre o poder da oração e do apoio que recebeu de sua comunidade da igreja. Sua obediência ao Senhor para passar por quimioterapia é o que ele diz que fez os tumores por todo o corpo desaparecer.

"Eu deveria ter morrido várias vezes, mas eu tinha fé", declara Renfro. "Eu acredito que Deus interveio e me curou e aqui estamos 18 anos depois. Para mim, isso é um milagre”.

veja também