Morgan Freeman explora 'porque o mal existe no mundo' na série 'História de Deus'

Crescendo como uma criança em Mississippi, Freeman encontrou sua primeira experiência com o mal na forma de racismo em uma estação de ônibus “Greyhound”, onde brancos e negros eram segregados.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Segunda-feira, 2 Maio de 2016 as 10:40

Ao longo de sua jornada para encontrar respostas sobre a origem do mal, o vencedor de Oscar viaja para o Egito, Índia, Nova Zelândia e cidades em todo os Estados Unidos. (Foto: Reprodução).
Ao longo de sua jornada para encontrar respostas sobre a origem do mal, o vencedor de Oscar viaja para o Egito, Índia, Nova Zelândia e cidades em todo os Estados Unidos. (Foto: Reprodução).

No quinto episódio da série "A História de Deus" (National Geographic), o ator Morgan Freeman continua sua busca para descobrir por que o mal existe no mundo. "Para entender por que o mal existe, temos de saber de onde vem", diz Freeman. "Para o cristianismo, o mal pode ser o próprio diabo, ou o mal é algo que vem de dentro da gente?", indagou.

Crescendo como uma criança em Mississippi, Freeman encontrou sua primeira experiência com o mal na forma de racismo em uma estação de ônibus “Greyhound”, onde brancos e negros eram segregados e ele foi forçado a entrar por uma porta designada para pessoas "de cor". Freeman explica que como um jovem rapaz, ele estava confuso com o calvário.

"Quando criança, quando você está confrontado com um mal como o racismo, sua primeira reação é a confusão. Por que isso existe? De onde ela vem? Se você acredita que vivemos num mundo sob controle divino, por que o mal existe em tudo?" perguntou o ator.

Ao longo de sua jornada para encontrar respostas sobre a origem do mal, o vencedor de Oscar viaja para o Egito, Índia, Nova Zelândia e cidades em todo os Estados Unidos para entrevistar os estudiosos e líderes religiosos sobre as origens do mal e como ela afeta nossas vidas diárias.

Entrevista

Sua primeira parada é para entrevistar um estuprador em série e assassino que revela que ele não sente remorso pelo mal que cometeu e explica que ele age em impulsos que ele é incapaz de controlar.

Kent Kiehl, um neurocientista que analisa os exames cerebrais de ressonância magnética de assassinos condenados, diz a Freeman que sua esperança é que um dia a tecnologia científica seja capaz de prever quais as pessoas são mais propensos a cometer crimes com o objetivo de impedi-los de prejudicar os outros.

Então, durante um passeio de túmulos egípcios em Luxor, Egito, Freeman pensa na hipótese de que a raiz da crença no bem e do mal e se podemos chegar ao céu ou não, vem da cultura egípcia antiga. Ele argumenta que os dias moderno dos cristãos podem estudar os antigos egípcios e sua crença de que o deus Osíris determinou o destino das pessoas por julgar a condição de seus corações como uma das primeiras crenças documentadas no mal que assola a humanidade.

"Será que somos inerentemente bons ou inerentemente maus?" Freeman pondera. Em sua busca para encontrar respostas, Freeman encontra-se com o teólogo e Pastor Kutter Callaway para perguntar se os seres humanos estão com o mal no coração. O ministro Batista explica que acredita no pecado original.

"A tradição cristã cunhou ao pecado original algum desejo primordial que todos nós temos, um impulso humano básico ou impulso", disse ele, comentando sobre o pecado perpétuo e tentador do diabo a Jesus.

Próximo ponto

A próxima parada de Freeman foi para se reunir com líderes da comunidade de Zoroastro na Califórnia que acreditam que judeus e cristãos acreditam no diabo. Um zoroastrismo estudioso disse a Freeman que o povo judeu, pela primeira vez, acreditam no diabo na Babilônia, afirmando que, antes disso, os judeus não acreditam em Satanás.

O ator disse que gosta da teologia Zoroastra que ensina que o bem e o mal existem dentro de todos nós e que temos de escolher fazer o bem. Assim, os seres humanos podem expurgar o mal de dentro e não precisa temer o julgamento de Deus para ser boas pessoas.

veja também