Morte de Michael Brown: Igreja negra dos EUA critica indiferença dos cristãos brancos diante da questão racial

“Estou bastante acostumada a não haver espaço suficiente na alma da igreja branca para se preocupar com corpos negros”, diz ativista cristã afro-americana.

fonte: Guiame

Atualizado: Segunda-feira, 25 Agosto de 2014 as 10:15

Muito tem sido falado sobre o impacto da morte de Michael Brown. O funeral do jovem aconteceu nesta segunda-feira (25), na igreja batista Friendly Temple Missionary, em St. Louis, reunindo familiares, ativistas, políticos e celebridades.

A morte de Brown, que aconteceu há duas semanas em Ferguson, Missouri, provocou o retorno da tensão racial que antes estava contida nos Estados Unidos. O assunto tem sido polêmico não só na mídia, mas também na igreja americana. “Estou bastante acostumada a não haver espaço suficiente na alma da igreja branca para se preocupar com corpos negros. Não há espaço suficiente no serviço, não há espaço suficiente nas orações, não há espaço suficiente na liderança, não há espaço suficiente nos valores, não há espaço suficiente na declaração de missão e não há espaço suficiente nas posições políticas”, desabafa Austin Channing, ativista nas questões de justiça social e racial.

O pastor TD Jakes da Texas Megachurch, uma igreja composta em grande parte por Afro-Americanos, diz que a discriminação racial é apenas um dos muitos obstáculos que os negros enfrentam todos os dias. "Como pai de três filhos afro-americanos e um pastor de mais de 15.000 homens negros, eu estou muito preocupado com o desgaste constante desse povo, que além da luta para sobreviver à pobreza, às drogas, à violência e às taxas de abandono, tem que carregar o fardo da discriminação racial, que levou este fim horroroso". Incidentes como a morte de Brown, Jakes explica, colocam todos os jovens negros, incluindo seus filhos, "na lista de ameaçados de extinção."

Ele está esperançoso de que a morte de Michael Brown seja um catalisador indispensável para a mudança. "100 homens negros são mortos por policiais brancos nos Estados Unidos anualmente. Minha esperança é que o caso de o Michael Brown Jr. seja o catalisador de uma mudança sistêmica, que tem sido postergada há muito tempo dentro do nosso sistema judicial. Eu espero que isso nos mova rumo à equidade racial".

 

Entenda o caso da morte de Michael Brown Jr.

Na tarde do dia 9 de agosto, o policial branco Darren Wilson disparou contra o jovem negro Michael Brown, de 18 anos, que estava a caminho da casa da avó, acompanhado de um amigo. O perfil do jovem batia com o descrito por um funcionário de uma loja de conveniência, que havia denunciado um assalto à polícia. O policial abordou Brown, e disse que o jovem se portou de forma agressiva contra ele. Michael Brown recebeu seis tiros, todos pela frente, e morreu na hora. Segundo a versão do amigo de Brown, o jovem não reagiu violentamente: levou as mãos à cabeça, em sinal de rendição. Há apenas uma concordância: o jovem estava desarmado.


No dia do assassinato, o padrasto de Michael Brown, Louis Head, postou na internet uma foto segurando um pedaço de papelão com a frase escrita: "Um policial de Ferguson matou meu filho, que estava desarmado!!!" Em poucas horas, a foto se popularizou nas redes sociais. Isso levou pessoas a protestarem contra o crime, além das vigílias de oração pela família do garoto.

 

Com informações do The Christian Post

www.guiame.com.br

veja também