Museu de Israel traz réplica de 'Jerusalém dos tempos de Jesus' em nova exposição

Uma "maquete" gigante de Jerusalém mostra a cidade no período do Segundo Templo judeu e traz artefatos arqueológicos originais que comprovam diversos fatos bíblicos, registrados nos evangelhos.

fonte: Guiame, com informações da CBN

Atualizado: Terça-feira, 9 Agosto de 2016 as 1:15

Réplica do segundo templo judeu chama a atenção pela riqueza de detalhes. (Foto: CBN)
Réplica do segundo templo judeu chama a atenção pela riqueza de detalhes. (Foto: CBN)

Alguma vez você já se perguntou qual era a aparência de Jerusalém há cerca de 2.000 anos, quando Jesus Cristo andou pela Terra?

Agora, milhares de cristãos que visitam todos os anos os locais de Israel citados na Bíblia, também podem desfrutar de uma nova turnê emocionante no Museu de Israel, em Jerusalém. Uma nova exposição está sendo montada, para trazer mais detalhes sobre a cidade histórica dos tempos de Jesus.

Uma das peças originais é um modelo gigante de Jerusalém, mostrando a cidade no período do Segundo Templo judeu. É a primeira parada da nova exposição chamada "Berço do Cristianismo", na qual os visitantes podem ver os artefatos que ilustram a narrativa bíblica.

"Esta é Jerusalém que Jesus conheceu. Esta é Jerusalém, que Herodes construiu", diz David Mevorach, curador sênior da Arqueologia helenística, romana e bizantina no Museu de Israel, em Jerusalém.
             
Mevorach disse que o modelo vai dar aos cristãos uma perspectiva melhor sobre áreas específicas, mencionadas nas Escrituras.

A proeminência do modelo gigante do Templo, chamava a atenção como o maior monumento da cidade naquela época.

"O modelo, construído em uma escala de 1 para 50, mostra esses locais importantes pelos quais Jesus passou, como por exemplo, os tanques de Betesda, onde Jesus realizou um de Seus milagres de cura", disse Mevorach à CBN News. "Está tudo em torno desta cidade".
 
A próxima parada da nova exposição é o famoso Santuário da habitação do Livro do Mar Morto. Os pergaminhos incluem as mais antigas cópias dos livros da Torá. E depois há os artefatos raros e importantes do próprio Monte do Templo.

"Nós ainda temos os muros de suporte do Monte do Templo, o Muro das Lamentações - que é o Muro Ocidental do apoio a este grande projeto - mas poucos achados restaram das construções originais", diz Mevorach.

Dois artefatos importantes do antigo Monte do Templo durante o tempo de Jesus fazem parte desta exposição.

"Um deles é uma inscrição em hebraico: um sinal para o sacerdote se levantar e tocar a trombeta para o início do Shabat - que significa que o tempo de cessar o trabalho - e outra vez ao fim deste período, quando os judeus retomavam seu cotidiano normal", contou Mevorach.

"O outro sinal é em grego. Mostra o parâmetro que rodeava o próprio templo no Monte. A sinalização proibia que gregos e romanos entrassem no templo", contou o arqueólogo.

De acordo com Mevorach é raro encontrar artefatos que se relacionam diretamente com figuras históricas.

"No caso do julgamento e crucificação de Jesus, temos sido extremamente sortudos", disse ele. "Três achados se relacionam diretamente com a história e os detalhes, sendo que dois deles estão diretamente relacionados com as pessoas mais importantes nos dias finais de Jesus".

Um dos artefatos é a caixa de um osuário que traz a inscrição: "José, filho de Caifás, o sumo sacerdote".

"Temos 100% de certeza que esta é o Caifás que ouvimos falar nas histórias do Novo Testamento: o sumo sacerdote que prendeu Jesus e o entregou aos romanos, para que fosse julgado", diz ele.

A segunda peça é uma pedra que carrega o nome de Pôncio Pilatos. Ela foi encontrada na cidade portuária mediterrânea de Cesaréia, a capital da Judéia na época.

Mas talvez, o artefato mais interessante para os cristãos seja a evidência da prática romana da crucificação, encontrada em um ossuário.

"Este osso do calcanhar que você vê aqui tem um enorme prego de ferro conduzido por ele. Este é o único achado em todo o mundo da crucificação real", diz ele.

Mas o que os visitantes têm a dizer diante de tantas ilustrações e artefatos que comprovam a história bíblica?

"Basta ver os artefatos que ganham vida e perceber que o que eu li na Bíblia também está ganhando vida", diz o norte-americano Terry Herndon, nascido em Birmingham, Alabama.

"Ver tantos artefatos da história do mundo e da nossa fé cristã tão rapidamente em um só lugar e poder compreendê-los tão rapidamente é algo simplesmente incrível. Isso realmente confirma nossa fé, confirma o que a Bíblia nos ensina e nos mostra que o lugar da nossa fé cristã na história do mundo é notável", disse outro visitante.

veja também