"Myles Munroe pode ter 'pressentido' sua morte", segundo primeiro ministro das Bahamas

Segundo Perry Christie, o seu último encontro com o líder cristão foi marcado por um "sentimento de urgência", que ele havia percebido em Munroe.

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Sexta-feira, 5 Dezembro de 2014 as 11:39

"Myles Munroe pode ter 'pressentido' sua morte", segundo primeiro ministro das Bahamas Myles Munroe teve um "senso de urgência" sobre ele antes de sua morte e pode ter sentido que seus dias estavam contados, segundo o primeiro-ministro das Bahamas, Perry Christie.

Christie teve a oportunidade de se pronunciar na noite da última quinta-feira, 04/12, durante o funeral de Myles Munroe e Ruth - mortos em um trágico acidente aéreo, que sucedeu-se no dia 9/11, em Grand Bahama. A cerimônia contou com o apoio e reconhecimento do governo das Bahamas.

O funeral seguiu um culto memorial no Estádio Thomas A Robinson.

Em seu discurso, o primeiro ministro referiu-se à última reunião que teve com Munroe, em um encontro de líderes religiosos, na qual discutiram a reforma constitucional.

Christie disse: "Dr. Munroe teve grande participação nas discussões da reunião, mas o que eu mais me lembro vividamente sobre ele, naquele sábado à noite, é como ele foi um dos últimos a deixar o meu escritório após a reunião.

"Olhando para ele, em retrospecto, parece que houve em sua mente, muito mais do que o normal, e que um 'senso de urgência' tomou conta dele; a sensação de que não havia tempo a perder, uma sensação de que os desafios de nossos tempos nos convocavam para a liderança de uma forma ou de outra, de modo que os problemas da sociedade contemporânea das Bahamas que assim perturbavam, poderiam ser mais agressivamente abordados para a reparação de danos"

Perry disse que tal atitude "apressada" de Munroe poderia significar que o líder do Bahamas Faith Ministries talvez tenha sentido que algo decisivo aconteceria nos próximos dias.

"Eu penso sobre isso agora; eu pergunto sobre isso agora, porque isso me sugere, em retrospecto, que o Dr. Munroe talvez tenha sentido em algum nível instintivo, talvez até mesmo em algum nível profético, que seus dias estavam contados, e que o fim de seus dias contados estava se aproximando", disse.

Christie disse que Munroe "realmente amava seu país, que o líder cristão também era amado pela Comunidade das Bahamas" e tem grande parte na história da construção do país.
"Esse tipo de divulgação foi fundamental para seu senso de propósito e central para o seu trabalho como um evangelista para Cristo, porque era claro para mim que a religião, na opinião de Myles Munroe não se focava no bloqueio de si mesmo, de alguma torre de marfim remota de contemplação privada. Em vez disso, tratava-se de arregaçar as mangas e descer para as trincheiras, para lidar com os problemas reais de pessoas reais que vivem no mundo real", destacou.

Ele pediu aos seus ouvintes a procurar pelo legado de Munroe nas vidas que eles tinham ajudado a mudar e no bem que eles tinham feito.

"Nós lemos muito sobre aqueles que estão fazendo coisas ruins nas Bahamas e muito pouco sobre aqueles que estão fazendo o coisas boas, até mesmo grandes coisas, no dia a dia, trabalhando com o suor de seu rosto; levantando boas famílias, ajudando e fazendo boas obras na comunidade, levando uma vida de elevado propósito que se enobrece como um todo, como uma sociedade, como povo e como nação sob Deus. Esse é o perfil de pessoa que Dr. Myles deixa registrado como seu monumento", finalizou.

Com informações do Christian Today

*Por João Neto - www.guiame.com.br 

veja também