Nigéria está se tornando um "Estado islâmico”, dizem líderes cristãos

A afirmação vem após vários ataques em sequência contra os cristãos, que têm acontecido nos últimos tempos. Além disso, está tramitando um projeto de lei para silenciar ONGs que apoiam a população cristã.

fonte: Guiame, com informações do site All Africa

Atualizado: Quinta-feira, 25 Agosto de 2016 as 11:55

O Fórum explicou que o domínio evidente por membros da fé muçulmana, pode tornar as decisões um pouco duvidosas. (Foto: AFP).
O Fórum explicou que o domínio evidente por membros da fé muçulmana, pode tornar as decisões um pouco duvidosas. (Foto: AFP).

Os líderes cristãos nigerianos do "Fórum Elders", uma filial da Associação Cristã da Nigéria, disseram na última quarta-feira (24) que o país está se transformando em um "Estado Islâmico" sob o governo do presidente Muhammadu Buhari. As informações são do site All Africa.

Esta afirmação vem em resposta aos assassinatos de cristãos em massa no norte do país, que têm acontecido nos últimos tempos. Na semana passada, estudantes cristãos foram brutalmente mortos e queimados em Talata Marafa, estado de Zamfara (Nigéria), acusados de uma suposta blasfêmia.

De acordo com o presidente do Fórum Elders, Solomon Asemota, existe um projeto de lei para calar a voz das ONGs. "Há um projeto de lei que agora está pendente na Assembleia Nacional, intitulado "NGO Regulatory Bill” (Lei de Regulamentação de ONGs, em tradução livre), que se destina a silenciar ONGs, incluindo a Associação Cristã da Nigéria”, disse.

"Não estamos discutindo a relação da Nigéria com o Estado Islâmico, mas o que está em discussão é se a Nigéria é governada por muçulmanos comuns ou por islamistas jihadistas. Pedimos que a Nigéria seja mais segura e mais pacífica, mesmo quando o Governo da Federação ou de um Estado não adota qualquer religião como a de Estado", disse Asemota.

O Fórum explicou que o domínio evidente do Conselho de Segurança Nacional, por membros da fé muçulmana, pode tornar as decisões um pouco duvidosas. "Como resultado do entendimento do Jihad civilizado, estamos apreensivos com as respostas do Comitê de Segurança e Inteligência do Governo Federal. Uma das razões é o domínio principalmente de muçulmanos”.

O Presidente Buhari, o Chefe da Defesa, Chefe do Estado Maior do Exército, Chefe de Gabinete, o Ministro da Defesa, Ministro da Administração Interna, o Inspetor Geral da Polícia, Conselheiro de Segurança Nacional, Diretor Geral do DSS. Estes todos são muçulmanos.

Asemota sustentou que as atividades dos pastores Fulani são claramente incentivadas pela Jihad. "As atrocidades cometidas pelos pastores Fulani, como o número de pessoas mortas, terras agrícolas e edifícios destruídos e outras propriedades durante o mesmo período são fortes exemplos”, disse.

"A conclusão que nós, os cristãos, temos é que a jihad está contra o nosso país, a Nigéria, especialmente quando o instrumento de coesão do Estado está nas mãos de três nacionalidades étnicas e uma religião. Isso coloca medo na mente da população, especialmente os cristãos", finalizou.

veja também