Nova primeira-ministra do Reino Unido diz que a fé cristã direciona suas decisões: "É parte de mim"

"Ela [a fé cristã] é parte de mim. É parte de quem eu sou e, portanto, de como eu abordo as coisas", disse Theresa May, de 59 anos, quando questionada sobre sua fé.

fonte: Guiame, com informações do Gospel Herald

Atualizado: Sexta-feira, 15 Julho de 2016 as 10:45

Theresa é filha de um líder cristão, o reverendo Hubert Brasier e sua esposa Zaidee, que incutiu na líder, um senso de servidão e desejo de ajudar os outros. (Foto: GettyImages)
Theresa é filha de um líder cristão, o reverendo Hubert Brasier e sua esposa Zaidee, que incutiu na líder, um senso de servidão e desejo de ajudar os outros. (Foto: GettyImages)

A nova primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, revelou que sua fé cristã é uma parte significativa de quem ela é, guiando e direcionando todas as suas decisões.

May, que já havia servido no escritório da Casa por mais de seis anos, foi instalada como a nova primeira-ministra do Reino Unido, depois que David Cameron renunciou oficialmente na última quarta-feira e sua única rival, Andrea Leadsom deixou disputa pela liderança no início desta semana.

Segunda líder feminina desta magnitude na história do Reino Unido, May revelou que sua fé cristã desempenha um papel vital em sua vida.

"Ela [a fé cristã] é parte de mim. É parte de quem eu sou e, portanto, de como eu abordo as coisas", disse a ex-ministra do Interior, de 59 anos, à Rádio BBC 4 de Desert Island Discs, já no ano de 2014.

"Eu acho que é certo que não venhamos a expor essas coisas aqui na política britânica. Mas isso é parte de mim e, obviamente, ajuda a moldar meu pensamento e minha abordagem", acrescentou.

Theresa é filha de um líder cristão, o reverendo Hubert Brasier e sua esposa Zaidee, que incutiu na líder, um senso de servidão e desejo de ajudar os outros.

"Eu cresci filha de um vigário local e neta de um sargento regimental. O serviço público tem sido parte de quem eu desde as minhas primeiras memórias", observou ela em um relatório.

"Eu sei que alguns políticos buscam altos cargos, porque eles são movidos por fervor ideológico", acrescentou. "Eu sei que outros os procuram por razões de ambição ou glória. Minhas razões são muito mais simples".

Ela também é congrega ativamente da Igreja da Inglaterra (de origem anglicana). O Rev. Jamie Taylor, de St Andrew e um amigo de May a descreveram como um "membro muito favorável" da igreja histórica e uma "trabalhadora incansável".

Taylor acrescentou: "Oramos semanalmente para Sua Majestade e pelas autoridades sob ela. Esta oração vai assumir um pouco mais significado para nós em Saint Andrew nos próximos anos... Em nome de todos da Igreja de St Andrew, eu felicito calorosamente [May] enquanto ela se prepara para assumir as responsabilidades desafiadoras que estão diante dela".

Enquanto isso, na sua declaração após a confirmação de que ela seria a próxima primeira-ministra do Reino Unido, May insistiu que "o significado de Brexit [saída do Reino Unido da União Europeia] depende do vai ser feito para o sucesso dele" e enfatizou que o país vai "forjar um corajoso, novo, papel positivo no mundo".

Ela também pediu unidade, uma liderança forte e uma visão positiva para o futuro.

"A visão de um país que trabalha, não apenas para os poucos privilegiados, mas que funciona para cada um de nós. Porque nós estamos dando às pessoas, mais controle sobre suas vidas. É assim que, juntos, vamos construir para um Reino Unido melhor", disse ela.

veja também