O espírito de Jezabel leva ao crescimento do terrorismo, diz autor cristão

Charles Gardner afirmou que a Europa está sendo inundada pelo terrorismo, também porque a Igreja falha em se posicionar com firmeza contra a disseminação do islamismo.

fonte: Guiame, com informações do Charisma News

Atualizado: Sexta-feira, 9 Junho de 2017 as 11:43

Policiais britânicos socorrem homem ferido em ataque, em Londres. (Foto: El País)
Policiais britânicos socorrem homem ferido em ataque, em Londres. (Foto: El País)

O crescente número de ataques terroristas nos últimos meses tem gerado um misto de comoção, medo e até anestesiamento nas redes sociais e canais de notícias. Além da constante ação de grupos jihadistas no Oriente Médio, continentes ocidentais, como a Europa também têm sido assolados por terroristas ligados ao Estado Islâmico, como ocorreu nas recentes semanas, em Manchester e Londres.

Segundo o jornalista e autor cristão, Charles Gardner, o aumento do terrorismo - sobretudo no Ocidente - tem implicações espirituais.

Ele relatou que sentiu a dor de perto, pois o ataque mais recente em Londres acabou ferindo seu irmão.

"Notícias de mais um ataque terrorista terão um efeito entorpecente sobre muitos de nós. O fato de que sete pessoas morreram na London Bridge e que mais uma vez trouxe lembranças do horror 7/7 de 2005, quando meu irmão estava entre os gravemente feridos, apenas aumentando os sentimentos de desespero e tristeza", afirmou.

"Mas perdemos a capa protetora de Deus porque deixamos de servir-lhe; Dissemos que não queremos ele ou suas leis; E isso nos tornou particularmente vulneráveis ​​a ataques", acrescentou.

Gardner relacionou a situação vivida pela Europa ou outras regiões que têm países de fundação cristã ao contexto que Elias viveu, em combate à rainha Jezabel e à prática da idolatria.

"Muitos cristãos se identificarão com os sentimentos do profeta Elias, que depois de vencer uma grande disputa contra os falsos profetas idólatras no Monte Carmelo, percebeu que ainda não havia convencido os líderes de Israel sobre a necessidade de se voltarem para o Senhor", comentou o jornalista.

"A rainha Jezabel estava furiosa com a exibição inegável do poder e da autoridade milagrosa de Deus, e estava determinada a matar o profeta. Cansado de batalhar, Elias sucumbiu a uma grave crise de depressão e fugiu", lembrou. "O que mais ele poderia fazer para trazer Israel de volta a Deus?".

Gardner comentou a situação atual do Reino Unido e alertou que é preciso abrir os olhos para a ameaça que o islamismo significa e deixar de negar princípios bíblicos "em nome da paz".

"Muitos cristãos britânicos estão compreensivelmente frustrados e cansados. Temos alertado nossos líderes por tanto tempo sobre a ameaça islâmica, juntamente com os perigos de descartar as leis de Deus. Mas, como nos dias de Jeremias, sua resposta tem sido declarar 'Paz, paz', quando não há paz, ou eles nos dizem que a nova moral é boa para nós, porque satisfaz nossa necessidade de 'diversidade e igualdade", disse. "Se você expulsar Deus da equação, quem irá julgar o que é certo ou errado?".


Reação
O autor cristão revelou que recentes declarações dadas pela primeira-ministra Theresa May podem significar esperança para o combate ao terrorismo.

"Finalmente, parece que no Reino Unido já teve o suficiente, a julgar pelo tom da primeira-ministra Theresa May, dizendo "já basta", indicando sua intenção de introduzir medidas mais duras contra o terrorismo", informou.

"Isso poderia ser a virada da maré? No entanto, a esquerda a cada passo esforça-se para intimidar aqueles que falam a verdade. Mesmo a igreja, em sua maior parte, foi intimidada a ficar em silêncio e não falar sobre a ética sexual, por exemplo", alertou.

Voltando a mencionar o relato bíblico sobre o profeta Elias, Gardner destacou como Deus cuidou de Elias e o ajudou a superar aquele momento difícil.

"Elias fugiu e queria morrer, mas Deus o revigorou - com comida e o fazendo dormir bem, e depois com sua 'voz ainda pequena' que falava acima do terremoto, vento e fogo. Além disso, foi-lhe dito para ungir o seu sucessor, Eliseu, para continuar a missão celestial, e então ele foi lembrado que havia 7.000 homens que não se curvaram perante Baal (o deus falso)", lembrou.

Gardner comparou os cristãos genuínos britânicos a estes 7.000 do relato bíblico, que não se curvaram a Baal.

"O resto dos verdadeiros crentes na Grã-Bretanha precisam se manter firmes e também precisam ser encorajados. Não é hora de fugir ou desistir. Procure o renovo de Deus que vem do alto; Seu poder ilimitado está disponível enquanto realizamos a missão do Evangelho, que por si só vencerá a maré do mal. Há pessoas em todo o país - incluindo muçulmanos - que estão famintos pela verdade que os libertará", afirmou.

O último ataque de Londres ocorreu apenas 90 minutos antes de os britânicos celebrarem tradicionalmente o Dia do Pentecostes - que marcou o derramamento do Espírito Santo sobre a Igreja há 2.000 anos, quando os discípulos foram assim dotados do "poder do alto" (nas palavras de Jesus) para pregar corajosamente o Eevangelho até os confins da terra.

Segundo Gardner, os britânicos precisam retomar o foco em quem pode realmente livrá-los, assim como Elias perseverou em fazer com o povo.

"O foco neste momento trágico na Inglaterra se manteve em um show pop, quando o que realmente precisamos é de outro Dia de Pentecostes. A grande vitória de Elias no Monte foi um precursor do Pentecostes. Ele desafiou seus rivais e Deus respondeu com fogo, mostrando quem é o verdadeiro Deus! Os falsos profetas clamaram freneticamente ao seu deus por horas, e não houve resposta. Mas o Deus de Elias respondeu com fogo, que queimou o sacrifício, mesmo que o altar estivesse coberto com grandes quantidades de água (1 18:16-46). Faze-o novamente, Senhor! Envie o fogo!", finalizou.

veja também