"O meu sonho é que um dia o 'Big Brother' acabe", afirma ex-BBB

A ex-BBB Mirla afirmou em entrevista concedida à UOL, que o Big Brother Brasil não lhe trouxe qualquer benefício. Do contrário, ela afirmou que preferia não ter participado do programa.

fonte: Guiame, com informações da UOL

Atualizado: Quarta-feira, 25 Março de 2015 as 7

Mirla participou da edição de 2009 do Big Brother Brasil e afirma que seu único sentimento com relação ao programa é de repúdio.
Mirla participou da edição de 2009 do Big Brother Brasil e afirma que seu único sentimento com relação ao programa é de repúdio.

Ex-BBB que participou da edição do programa em 2009, Mirla Prado afirmou em entrevista concedida à UOL, que o Big Brother Brasil não lhe trouxe qualquer benefício. Do contrário, ela revelou que só deseja o fim deste programa, que lhe traz péssimas lembranças

A "sister" - como é chamada por muitos que se referem às mulheres que participam do BBB - foi alvo de uma sátira veiculada pelo programa "Tá no Ar", da própria rede Globo, no dia 12/03. O programa transmitido às quintas-feiras, logo após o Big Brother Brasil citou além de Mirla, Samantha ("BBB3"), Lucival ("BBB11"), Analice ("BBB12), Ralf e Mirla ("BBB9") como exemplos de "brothers e sisters dos quais ninguém se lembra mais".

Mirla não havia assistido ao programa humorístico, mas foi alertada por várias pessoas sobre sua "aparição" no "Tá no Ar".

Segundo Mirla, quem abriu possibilidades para as piadas sobre o BBB no programa de Marcelo Adnet foi o próprio J. B. Oliveira, ou simplesmente "Boninho". Mirla afirmou ainda existir um certo ressentimento do diretor em relação a ela.

"Tem totalmente o dedo do chefe nisso, por causa do desafeto que tivemos", destacou.

Ela também revelou que o programa não se baseia em algum tipo de roteiro que os participantes precisam seguir.

"Não sabia como lidar e agir, por isso foi um choque muito grande quando vi que tudo era muito fake. Eu não podia ser eu mesma, tinha que chorar, fazer um casal e cumprir um script. Existe script? Não existe. Mas é algo que cada participante bola na própria cabeça. Na minha edição tinham muitos personagens e o Boninho me colocou no 'Big Brother' para ser a vilã. Lá dentro matei o jogo e vi quem deveria ser a minha algoz. Na entrevista [para seleção dos participantes], falei que odiava meninas tipo patricinhas, e vi nitidamente que colocaram uma pessoa assim. Mas quebraram a cara porque eu passei a adorá-la", disse.

Mirla afirmou que atualmente o único sentimento que tem com relação ao Big Brother Brasil é de repúdio.

"O que tiro de bom é que descobri o que é a Globo. Ou você se junta a eles ou vão te queimar. Hoje só quero viver a minha vida e não quero mais saber de 'Big Brother'. Todo ano é a mesma coisa, jornalistas me ligam para perguntar sobre o programa e as pessoas comentam. O meu sonho é que um dia o 'Big Brother' acabe", afirma.

Farsa
Há 15 anos, os telespectadores brasileiros viam surgir pela rede Globo, a programação que é atualmente uma das maiores farsas da TV. O Big Brother Brasil apresentou inicialmente, a proposta de ser um "reality show" - estilo de programação que, em tese deveria apresentar o "show da realidade", como o próprio nome sugere.

Porém, a cada edição, o programa se viu em meio a diversas complicações, envolvendo desde fraudes no regulamento oficial, casos de estupro, confissões de assassinato por parte de um de seus participantes e tantos outros escândalos.

O mais recente - ocorrido nesta edição de 2015 - veio a decepcionar muitos dos telespectadores que ainda se iludiam o "show da realidade" transmitido pelo BBB15.

Após a participante Tamires desistir do programa, o diretor José Bonifácio - mais conhecido como Boninho - deu uma tremenda bronca nos "brothers", que ficaram mexidos com a saída da "colega". Porém o áudio vazou e quem acompanhava o programa conseguiu ouvir o recado cheio de revolta.

"Tem 100 mil pessoas querendo entrar na casa. Quem quiser sair, pode sair e se a gente quiser botar alguém até o final, a gente bota. Quem sai é desistente, é perdedor. O jogo continua!", disse o diretor.

A fala de Boninho comprova a infantilidade daqueles que têm mantido este programa no ar. O que ele sugere é que é "praticamente impossível não gostar deste jogo" e quem opta por sair daquele circo de horrores é "perdedor".

Esta não foi a primeira vez que o programa foi de alguma forma "banalizado" por seus participantes. Também em 2009, o estudante de medicina Rafael - conhecido como "Galego" - desafiou a produção ao mostrar que "não se importava em permanecer na casa".

Distorção
A sutileza já foi deixada de lado há muito tempo por Boninho e sua turma. De fato, o Big Brother - assim como outras programações da rede Globo - tentam mostrar que a auto-destruição é completamente normal. O uso de drogas, o abuso de bebidas alcoólicas e a prostituição é "natural", segundo o que é mostrado nas edições do programa.

Porém, o guia / regra de fé e prática que nos foi deixado, nos alerta para que não nos conformemos com a formação deste sistema, em I Jo 2.15-17.

Finalizando, a escolha está em suas mãos. Os malefícios que programações como esta causam - não apenas a quem a assista, mas também a quem participa da formação delas - já estão comprovados. Porém, cabe a nós não sustentar este tipo de conteúdo. O controle (remoto) está ao seu alcance.

 

 

veja também