Organizações cristãs dos EUA apontam urgência em decisão do Supremo Tribunal sobre casamento gay

Apresentando um documento assinado por representantes de 17 Estados, o grupo alega "insegurança jurídica" quanto aos seus posicionamentos em relação ao casamento gay.

fonte: Guiame

Atualizado: Segunda-feira, 8 Setembro de 2014 as 9:51

Organizações cristãs dos EUA apontam urgência em decisão do Supremo Tribunal sobre casamento gayOs procuradores-gerais de 17 estados, liderados pelo Colorado, pediram ao Supremo Tribunal dos EUA para decidir se a Constituição dos Estados Unidos inclui o direito ao casamento gay. A Igreja Mórmon e alguns grupos cristãos também têm apresentado um  amigo-da-corte.

"Há dezenas de casos que necessitam de milhares de horas de litigar a mesma questão jurídica apresentada nesta petição", diz o documento escrito e apresentado em oconjunto pelos 17 estados ao final da semana passada.

O documento também pede ao tribunal superior para assumir os casos que desafiam a proibição do casamento entre homossexuais em Oklahoma e Utah, observando que 89 processos em curso em todo o país desafiam as leis do casamento tradicional.

"Estes casos são divisivos e caros, não só em termos de dinheiro e mão de obra, mas em termos de respeito pelo processo democrático e de deliberação, realizado por milhões de eleitores, no qual a natureza do casamento foi recentemente debatida", acrescenta o texto. "Uma vez resolvidas, as questões jurídicas apresentadas nas petições de Utah e Oklahoma estão bem posicionadas para fornecer as orientações necessárias para os outros estados com leis de casamento tradicionais".

Os 17 estados são: Colorado, Oklahoma, Alabama, Alaska, Arizona, Geórgia, Idaho, Louisiana, Montana, Mississippi, Missouri, Dakota do Norte, Nebraska, Carolina do Sul, Dakota do Sul, Virgínia Ocidental e Wisconsin.

A agência de notícias Associates Press informou que a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e quatro organizações cristãs também pediram ao Supremo Tribunal Federal para resolver de uma vez por todas se os estados podem proibir o casamento homossexual.

O grupo reuniu a Conferência dos Bispos dos EUA, a Associação Nacional de Evangélicos, a Comissão de Ética e Religiosa da Convenção Batista do Sul e a Igreja Luterana - Sínodo de Missouri, exortanso o alto tribunal para atentar para o assunto no Estado de Utah.

"Chegou a hora de acabar com o debate nacional de divisão, questionando se o casamento gay fará ou não parte da Constituição", diz o texto.

"A insegurança jurídica é especialmente pesada para as organizações religiosas e seus membros, cada vez mais confrontados com questões espinhosas. É seu direito não participar disto, reconhecendo ou facilitando os casamentos entre pessoas do mesmo sexo, contrariamente às suas convicções religiosas, devidamente protegido pela Primeira Emenda e outras proteções legais? Ou é mais uma legislação necessária para proteger as liberdades religiosas nestes e outras áreas sensíveis?", questionou o texto.

Os juízes federais em muitos estados derrubaram emendas e leis que proíbem o casamento gay como inconstitucional, uma vez que a Suprema Corte dos EUA em junho deste ano teve uma parte fundamental na Defesa Federal do Ato do Casamentos.

O casamento entre pessoas do mesmo é reconhecido atualmente em 19 estados norte-americanos: Califórnia, Connecticut, Delaware, Havaí, Illinois, Iowa, Maine, Maryland, Massachusetts, Minnesota, New Hampshire, Nova Jersey, Novo México, Nova York, Oregon, Pensilvânia, Rhode Island, Vermont, Washington, e no Distrito de Columbia.

Com informações do Christian Post

Tradução por João Neto - www.guiame.com.br

veja também