Paquistanesa de 15 anos é sequestrada e forçada a se converter ao islamismo

Saima Bibi foi obrigada a se casar com seu sequestrador. A menina foi raptada por um grupo de muçulmanos quando estava sozinha em uma vila no distrito de Kasur.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Quinta-feira, 14 Janeiro de 2016 as 4:26

Cristãs Paquistanesas Protestam. Imagem: Reuters.
Cristãs Paquistanesas Protestam. Imagem: Reuters.

Uma menina cristã de 15 anos foi raptada e forçada a se converter ao Islã, além de casar com seu sequestrador no Paquistão. A menina, identificada como Saima Bibi, foi sequestrada por um grupo de homens muçulmanos quando estava sozinha em uma vila no distrito de Kasur no Paquistão. Quem conta mais detalhes é seu irmão, Riaz Masih. A família apresentou um processo contra os sequestradores na polícia de Kasur.

"Foi-nos dito que ela se casou após se converter ao Islã com um muçulmano Tanvir, seu raptor." Disse Masih. "Minha irmã tem 15 anos de idade. Nós temos sua certidão de nascimento, que será produzida perante o tribunal", comentou.

A idade legal para o casamento no Paquistão é dezesseis anos, no entanto, um oficial de polícia disse que Saima havia se convertido ao islamismo e que os funcionários têm documentos que comprovem a união.

"Isto é inaceitável, estamos totalmente condenando isso", disse o padre Joseph Louis, o secretário executivo da Caritas Paquistão. Ele descreveu a situação como um ataque à liberdade religiosa, e exigiu "que os tribunais deem justiça à família afetada".

Saima e seu marido vão comparecer perante um tribunal local, "onde a menina pode testemunhar se ela foi sequestrada ou voluntariamente se casou com o homem muçulmano", disse um porta-voz da polícia.

O “Movimento para a Solidariedade e Paz” (MSP), um grupo de pesquisa em educação e defesa, disse este caso particular é representativa de uma tendência no Paquistão, onde cerca de 700 meninas não-muçulmanas são convertidos ao Islã a cada ano. A Fundação baseada em Karachi Aurat estima que o número já chega a mil casos como este.

Os casamentos forçados geralmente seguem um padrão semelhante, em que uma jovem garota é raptada, se converte ao Islã e, em seguida, se casa com o sequestrador ou com um terceiro. De acordo com MSP, a família muitas vezes pode apresentar uma queixa, mas que também pode ser rebatida pelo sequestrador.

A vítima permanece sob a custódia de seu sequestrador em todo o caso, durante os quais ela pode ser submetida a "violência sexual, estupro, prostituição forçada, tráfico humano, venda ou outro abuso domestico", disse MSP.

Advogado Christian Sardar Mushtaq Gill, chefe da Associação de Desenvolvimento Evangélico Legal, que tem experiência com casos semelhantes, disse que "os sequestradores muitas vezes tomam uma questão prévia de casamento e conversão ao Islã, para que possam salvar-se de acusações criminais de estupro e sequestro”.

veja também