Passividade de igrejas diante do aborto e do casamento gay é "receita para a morte", segundo pastor

Apesar do fato de que pontos de vista conservadores religiosos em questões como o casamento gay e o aborto entrarem em conflito diretamente com os pontos de vista de um mundo secular, Moore assegurou que a mensagem cristã histórica sempre estará em conflito com a compreensão do mundo.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quinta-feira, 15 Outubro de 2015 as 10:47

Russell Moore é pastor, escritor, palestrante e presidente do Conselho de Ética da Convenção Batista do Sul dos EUA.
Russell Moore é pastor, escritor, palestrante e presidente do Conselho de Ética da Convenção Batista do Sul dos EUA.

O eticista cristão Russell Moore disse que as congregações que deixam de falar contra atos de imoralidade, como o aborto, o fazem por serem 'políticas demais' e são semelhantes às igrejas que permaneceram em silêncio sobre a questão da escravidão, por volta de 1800, nos Estados Unidos e em outros países [como também no Brasil].

Como palestrante de destaque no Instituto de Religião e Democracia, durante o quinto evento anual 'Diane Knipper Memorial', Moore, que é presidente do Comissão de Ética e Liberdade Religiosa da Convenção Batista do Sul nos EUA, criticou as congregações cristãs tradicionais que descuidaram de seus ensinamentos sobre as principais questões de moralidade sexual e outras questões sociais, a fim de misturar-se com a "cultura ambiente" e apelar para a sociedade de hoje.

Moore explicou que os conservadores religiosos necessidade de "preservar" a verdade bíblica para as gerações futuras. Embora a sociedade secular como gosta de afirmar que os cristãos conservadores estão no "lado errado da história", Moore disse à platéia que os conservadores cristãos não devem ter medo de ter suas convicções conflito bíblica com a sociedade mainstream e que eles deveriam realmente abraçar a mensagem cristã distintivo.

"Isso é algo que Diane Knipper viu: as principais denominações perdendo, enquanto elas acreditavam que a melhor maneira de se conectar com as gerações em torno delas era assimilar a mesmice da cultura ambiente. Isso é uma receita para a morte", Moore argumentou.

"É uma receita para a morte, precisamente pelas mesmas razões que Jesus está falando a Pilatos sobre um Reino que não se origina do mundo. O Cristianismo sempre prospera quando temos uma Palavra distintiva que está enraizada em uma específica vista da autoridade. Jesus disse: 'Eu vim para dar testemunho da verdade", lembrou.

"Os argumentos que vemos sendo usados agora sobre questões de sexualidade humana não são realmente sobre a sexualidade humana", continuou Moore. "Estes são debates de autoridade apostólica".

Apesar do fato de que pontos de vista conservadores religiosos em questões como o casamento gay e o aborto entrarem em conflito diretamente com os pontos de vista de um mundo secular, Moore assegurou que a mensagem cristã histórica sempre estará em conflito com a compreensão do mundo.

Embora muitas congregações nos últimos 50 anos tenham alterado as suas opiniões e ensinamentos para acomodar a visão de um mundo moderno, Moore alertou que as igrejas que historicamente se distanciaram da verdade bíblica, eventualmente, não conseguiram persistir.

"O milagre foi surpreendente no primeiro século e em todos os outros séculos, por isso as igrejas que descartaram isto não tinham mais nada a fazer, senão murchar e morrer na obscuridade", afirmou Moore. "As igrejas que estavam dispostas a falar com uma voz de autoridade sobre a ressurreição, a vinda de Cristo, a regeneração sobrenatural pelo Espírito Santo são as igrejas que tiveram testemunhos que as levassem para frente".

Moore argumentou ainda que o secularismo não é o "ponto de parada" para o fim do mundo.

"O secularismo é apenas uma parada ao longo do caminho", disse Moore. "Temos de ter uma palavra distintiva em termos de crédito à autoridade e devemos estar dispostos a testemunhar. Devemos ser um povo conversionista, o que significa que, se nós realmente acreditamos que o espírito de Deus é capaz de transformar alguém de pecador a santo, seremos as pessoas que não hesitarão em falar a verdade e falar o que muitas vezes serão 'verdades impopulares".

Segundo o palestrante, as igrejas têm sido responsáveis ​​por falar as verdades impopulares sobre questões sociais, não apenas no mundo de hoje, onde aborto e casamento gay são os temas muito disputados.

"Se você ficar no púlpito e chamar as pessoas ao arrependimento por embriaguez e imoralidade sexual, mas não chamá-los ao arrependimento por roubo e seqüestro, fingindo possuir outro ser humano, você tem falado sobre essa questão, dizendo que não vai ser algo para o qual é preciso dar conta no dia do julgamento", disse Moore, se referindo à passividade que muitas igrejas adotaram diante da escravidão no século XIX.

"As igrejas do estado do Mississippi falavam sobre embriaguez e adultério, em 1925, mas não falavam sobre linchamento", continuou Moore. "Eles estavam batizando o status quo por não chamar as pessoas ao arrependimento para um grave pecado contra Deus e contra um vizinho".

"As igrejas do século 21 America que não falam sobre a personalidade do nascituro estão baptizando o status quo e deixando consciências que estão feridas e precisam da libertação pelo Evangelho exatamente onde elas estão, sob acusação, em vez liberta-las e o fazem pensando em ser políticos".

veja também