Pastor é chamado de "homofóbico" em protesto contra sua palestra sobre sexualidade

O reverendo Jonathan Fisk palestrou sobre o tema "A diversidade original: o homem e a mulher em Cristo". Enquanto ele discursava, um grupo de alunos protestava contra ele.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Quarta-feira, 22 Fevereiro de 2017 as 11:27

O protesto resultou em um editorial no jornal do campus que condenou as visões "de ódio" do pastor. (Foto: Reprodução/Twitter).
O protesto resultou em um editorial no jornal do campus que condenou as visões "de ódio" do pastor. (Foto: Reprodução/Twitter).

Estudantes democratas na Universidade de Washington, em St Louis, Missouri (EUA), protestaram contra a palestra de um pastor luterano sobre sexualidade, na noite da última segunda-feira (20), chamando o líder cristão de "descaradamente homofóbico".

O reverendo Jonathan Fisk estava dando uma palestra cujo o tema era: "A diversidade original: o homem e a mulher em Cristo", onde ele falou sobre a visão de Deus de casamento e procriação, como pertencentes entre um homem e uma mulher. Em resposta, os universitários fizeram um protesto contra a palestra. A manifestação dos alunos ganhou um título: "Nada além do amor: uma demonstração de inclusão".

O protesto resultou em um editorial no jornal do campus que condenou as visões "de ódio" do pastor sobre homossexualidade, casamento e aborto. Jonathan foi descrito como "um promotor do medo, ultra-conservador descaradamente homofóbico".

Jonathan é pastor de uma igreja luterana em Missouri, e o evento foi organizado pela Lutheran Student Fellowship, da Universidade de Washington.

Reações

O protesto apresentou vários oradores falando na frente de uma bandeira LGBT. Um membro do protesto disse que a notícia da palestra de Jonathan o deixou "irritado, triste e frustrado". Outro estudante disse que os panfletos do evento o colocaram num estado de "choque".

Um professor universitário também se juntou à manifestação. Jeffrey McCune, que leciona na turma de “Estudos de Mulheres, Gênero e Sexualidade”, disse que fazer oposição à agência de aborto Planned Parenthood é ser racista.

"Em última análise, o que está sendo dito quando as pessoas recusam a Planned Parenthood, é que eles estão dizendo que me importo mais com fetos brancos do que com os serviços a pessoas de minorias", disse ele.

Um debate também foi realizado para responder à palestra do pastor. A discussão foi "aberta apenas para os apoiadores da causa LGBT". A palestra de Jonathan foi realizada num andar superior e enquanto isso, o protesto acontecia. Antes de iniciar a apresentação, ele twittou uma foto com a seguinte legenda:

“‘A diversidade original: o homem e a mulher em Cristo’ vive 15 minutos do protesto, logo abaixo de mim”. Ele disse que sua palestra era para incentivar os alunos com a mensagem de Deus "sobre dois seres humanos tornando-se uma carne, um humano, como um presente de Deus".

veja também