Pastor que escapou da morte chora em dia de homenagens por sua aposentadoria

O Reverendo George Simpson não segurou as lágrimas depois de ouvir as homenagens a ele e como seu ministério sobreviveu há quase cinco décadas de guerra espiritual.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Terça-feira, 2 Fevereiro de 2016 as 12:30

Imagem: JBU Mission Agency
Imagem: JBU Mission Agency

Um dos pastores mais populares da Jamaica, finalmente se aposentou com 72 depois de uma vida de ministério extraordinário e até mesmo milagrosa. Ele e a igreja sobreviveram a um terremoto, incêndio e até mesmo um atentado contra a sua própria vida.

O Reverendo George Simpson começou a chorar depois de ouvir as homenagens a ele e como seu ministério sobreviveu há quase cinco décadas de guerra espiritual.
Em 1980, depois de ser ordenado (há 46 anos), Simpson havia chegado para ser pastor em Mount Carey Baptist Church, em St James, uma zona calma e normalmente tranquila da ilha caribenha. A igreja de 200 anos já havia sido reconstruída após ter sido destruída no terramoto de 1957. A congregação crescente manteve a fé, mesmo em meio a uma multidão de arrombamentos e roubos.

O pastor que também tinha sido um músico popular de enorme sucesso na Jamaica, sofreu um atentado contra sua vida dois anos depois do assassinato de seu organista, Delroy Reid, de apenas 24 anos, em 2006. Em 2010, incendiários conseguiram devastar toda a igreja.

Sentado com Joan, com quem ele foi casado por 45 anos, o pastor Simpson conversou com Patricia Palmer do “Jamaica Observer” e começou a descrever o atentado contra sua vida. Na varanda de sua mansão ele relatou e chorou.

"O ano de 2008 foi de adversidade, dor e desespero. O caminho para a recuperação foi longa e assustadora, mas foi por meio da cirurgia e da dor que você demonstrou perdão, através de Cristo", leu Deacon Palmer para a igreja lotada durante as homenagens.

Assaltantes de Simpson, alguns dos quais já morreram e todos a quem ele perdoou, atirou em seu rosto, barriga e peito. Eles também esfaquearam suas mãos, perna e estômago enquanto ele gritava: "O sangue de Jesus O sangue de Jesus!". Ele sofreu várias operações e foram dois anos para que ele voltasse ao trabalho. Os moradores da Jamaica disseram ao jornal que está foi uma "recuperação milagrosa".

O Reverendo Karl Johnson, secretário-geral da União Batista da Jamaica disse que o Pastor Simpson "foi fiel à sua vocação em tempos bons e maus momentos, na luz do sol ou na chuva". Ele acrescentou: "Ele era um homem consistente em sua convicção”.

veja também