Pastores participam de cerimônia com orações a Alá, nos EUA

"Que Alá nos abençoe, abençoe nossas famílias e abençoe nosso Senhor. Nos guie no caminho em linha reta, o caminho de todos os profetas: Abraão, Ismael, Isaac, Moisés, Jesus e Maomé", dizia parte da oração.

fonte: Guiame, com informações da CBN

Atualizado: Quinta-feira, 30 Junho de 2016 as 5:14

Wajidi Said lidera oração durante Assembleia Geral da Igreja Presbiteriana dos EUA. (Imagem: Captura de Tela - Columbia)
Wajidi Said lidera oração durante Assembleia Geral da Igreja Presbiteriana dos EUA. (Imagem: Captura de Tela - Columbia)

A Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos (PCUSA) está sendo novamente alvo de críticas após realizar uma cerimônia, na qual pastores oraram a Alá, durante sua reunião da Assembleia Geral na semana passada.

"Que Alá nos abençoe, abençoe nossas famílias e abençoe nosso Senhor. Nos guie no caminho em linha reta, o caminho de todos os profetas: Abraão, Ismael, Isaac, Moisés, Jesus e Maomé", dizia parte da oração.

Estas foram as palavras que ressoaram sobre a congregação durante a Assembléia Geral da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos, em Portland, Oregon (EUA).

Wajidi Said, co-fundador da 'Education Trust' Muçulmana, liderou os participantes da reunião em uma oração ao deus islâmico, em um movimento organizado pelo pessoal do ministério ecumênico e inter-religioso na montagem.

A oração era parte da "primeira ordem" durante a sessão de abertura do encontro, um tempo dedicado à oração para as pessoas afetadas pelo massacre de Orlando, que ocorreu algumas semanas antes.

"Em nome de Alá, o Clemente, o Misericordioso, louvemos o Senhor... que a paz esteja com eles e que a paz esteja com Alá", dizia outra parte da oração. Ele também orou para que a paz estivesse sobre os "fanáticos" e "Islamofóbicos".

Mais tarde, no final da sessão, o Rev. Gradye Parsons ofereceu um pedido de desculpas a quem se ofendeu com a oração. Ele assegurou à congregação que erros podem ser cometidos, mas a oração não tinha essa intenção.

"Nunca tivemos a intenção de ofender ninguém e nós oferecemos um pedido de desculpas aos que se sentiram ofendidos", disse o Rev. Parsons.

Mas a igreja presbiteriana ainda afirma que irá defender as "relações positivas com pessoas de outras tradições religiosas" e que está empenhada em lutar contra "o aumento da islamofobia".


Casamento Gay
Em março de 2015, a Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos foi alvo de duras críticas e sofreu com um considerável número de congregações desfazendo suas filiações à denominação, após reconhecer o casamento gay dentro de seu estatuto.

veja também