Pecado na Igreja: podemos criar um espaço para as pessoas se abrirem?

Pecado na Igreja: podemos criar um espaço para as pessoas se abrirem?

Atualizado: Quinta-feira, 13 Março de 2014 as 10:04

Pecado na Igreja: podemos criar um espaço para as pessoas se abrirem?Nossa igreja está fazendo uma série de pregações baseada na mensagem brilhantemente provocante livro de Phil Moore "Gagging Jesus:  things Jesus said we wish he hadn't" ("Amordaçando Jesus: Coisas que Jesus disse e nós queríamos que Ele não tivesse dito"). No domingo passado meu marido pregou sobre sexualidade e o que Jesus disse sobre isso. Olhamos para o sexo dentro do casamento (como um ponto de partida diferente de nossa sociedade sobre este assunto), a atração pelo mesmo sexo, luxúria, adultério e pornografia. Possivelmente este não é o material mais comum para um sermão de domingo de manhã! Mas ainda é muito importante.
 
Fiquei impressionada sobre quão pouco nós, cristãos, falamos sobre sexo (e no nosso pequeno grupo durante a semana, muitas pessoas disseram que estão tristes pelo fato de a Igreja não celebrar a sexualidade saudável). Também não gosto de me envolver com as questões "batata quente", como pornografia ou homossexualidade. E, no entanto, o que isso faz para nossas igrejas? Elas se tornam, muitas vezes lugares que são repletos de pecados ocultos - mas por quê? Eu estava liderando os momentos de louvor, antes e após a pregar e em um ponto eu me ouvi dizendo, "A Igreja está cheia de pecado, porque todos nós estamos com muito medo de nos abrirmos e admitirmos nossas falhas. E assim, muitas vezes, quando os outros o fazem, nós os julgamos. Que vergonha para nós. Que vergonha para nós criar um ambiente onde ninguém se sente confortável o suficiente para ser aberto".
 
Que vergonha para nós, também permitir que os pecados sigam despercebidos ou sem contestação. Claro que isso não se refere apenas ao pecado sexual, mas a todos os outros pecados também (outro ponto abordado na pregação). E quanto à raiva, amargura, fofocas, medo, fazer do dinheiro um ídolo, etc? Cada um deles leva-nos para mais longe de Deus. Certamente, o ponto de fazer parte de uma família da igreja é que somos capazes de andar em estreita colaboração com aqueles que vemos regularmente (não estou dizendo que devemos gritar nossos pecados para toda a congregação!). Nós estamos lá para apoiar, mas também confrontar os nossos amigos quando necessário. Mas isso não vai acontecer se ninguém estiver disposto a tirar o seu máscara do "eu estou bem" e ser realista.
 
Por que não falar sobre as lutas que estamos tendo com a perda de nosso temperamento - ou flertando com o nosso chefe? Então, muitas vezes estamos muito preocupados com a forma como os outros nos vêem na igreja - mas a única pessoa cuja opinião realmente importa é a de... (Sim! Deus! Como você deve ter pensado!) . Ele já conhece os nossos mais profundos e obscuros segredos e nos ama de qualquer maneira, então por que nós não podemos ser honestos sobre estes segredos com aqueles que nos rodeiam ?
 
A não ser que comecemos a dar os primeiros passos para a vulnerabilidade com outras pessoas na igreja, vamos ficar de boca fechada, lutando, como cristãos individualistas. O desígnio de Deus para a Igreja [nós] é que sejamos um corpo, cada um dos membros tem seu próprio papel a desempenhar, mas apoiando um ao outro, também. Somos chamados a amar um ao outro - não julgar uns aos outros .
 
Embora meu marido estivesse obviamente falando de uma perspectiva masculina, o pecado sexual não é um problema apenas cometido por homens. Um número crescente de mulheres estão se tornando viciadas em pornografia e, e por que não estamos falando sobre isso? Precisamos deixar que outras mulheres saibam que não há problema em admitir que você recebe elogios de homem lisonjeiro, pois ajuda a diminuir os seus sentimentos de inadequação. A questão é: o você faz em resposta ao elogio?. A verdade é que precisamos conversar sobre essas coisas .
 
Precisamos olhar para formas nas quais que podemos incentivar total honestidade a respeito de nossas lutas. Eu acredito que a igreja em Atos era o tipo de lugar cheio de "verrugas" - eles estavam tanto na vida um do outro que eu não posso imaginar que eles conseguissem esconder os seus pecados uns dos outros. Mas hoje, culturalmente , somos informados de que temos os nossos próprios limites e não temos de deixar que qualquer um ultrapasse estes limites. "Nossas vidas são exclusivamente nossas, para fazer delas o que queremos ". Porém, segundo o ensino do Novo Testamento, nossas vidas não são exclusivamente nossas. Nós fomos comprados por um bom preço e nossos corpos são templo do Espírito Santo! Se permitimos que tendências culturais inúteis se infiltrem em nossas igrejas sem ser detectadas, por que estamos então, surpresos ao encontrar membros que realmente não querem se envolver em discipulado - o que tornaria as coisas "muito pessoais"?
 
O mesmo acontece quando nos reunimos. Podemos adquirir o hábito de ir à igreja, adorando, talvez permitindo que a pregação nos toque um pouco, indo para a frente para um pouco de oração e, talvez derramar algumas lágrimas. Mas, então, nos fechamos se as pessoas nos fazem "muitas perguntas", talvez até mesmo saímos do templo se nos sentimos "sufocados". Nós acreditemos piamente que podemos viver a nossa vida cristã sem estarmos vulneráveis, sem baixar nossa guarda e sem deixar que aqueles que nos rodeiam vejam que somos menos do que perfeitos?
 
Nós não somos fortes o suficiente para mantermos esta pretensão o tempo todo - não o suficiente para passar por todas as situações e circunstâncias que a vida joga sobre nós por nossa própria conta. Precisamos uns dos outros . Mas nós não precisamos do falso tipo de encontro "está tudo bem na minha vida , eu não estou lutando contra coisa alguma". Precisamos de amizades verdadeiras e vulneráveis ??que vão além de reuniões - do texto, e-mail , círculo que nos e vê como estamos indo. Isso [encontros verdadeiros] nos faz as perguntas difíceis - nos lembram o que dissemos que faríamos ou sonda-nos sobre uma tentação particular. Pode não ser sempre confortável, mas é mudança de vida e absolutamente vital. Eu sei que estou em uma jornada com isso mesmo - como é a nossa igreja - mas eu posso incentivá-lo a tentar ser mais vulnerável ??com aqueles em sua igreja também?
 
Por Claire Musters
 
Publicado originalmente no ChristianToday
 
*Tradução por João Neto

veja também