Político presbiteriano critica casamento gay: "Estou fora de sintonia com a minha denominação"

O republicano Frank Wolf protestou em um de seus discursos contra a recente decisão da Igreja Presbiteriana dos EUA, de aprovar o casamento entre homossexuais.

fonte: Guiame

Atualizado: Quarta-feira, 25 Junho de 2014 as 4:16

Político presbiteriano fala sobre casamento gay: "Estou fora de sintonia com a minha denominação"Na última terça-feira, o republicano Frank Wolf (representante do Estado da Virginia no Congresso norte-americano) expressou sua indignação em relação à decisão da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos (PC USA) ao votar a favor do casamento gay, na semana passada.

Depois de destacar que é um "um seguidor de Jesus e membro vitalício" da denominação PC USA, o legislador se pronunciou contra a medida adotada pela igreja.

"A decisão de abençoar casamentos homossexuais vai contra o conselho das Escrituras", disse ele.

Wolf, que está se aposentando do Congresso, é mais conhecido por sua luta contra a perseguição religiosa global. Ao denunciar a decisão de desinvestimento em Israel, ele contrastou a decisão com sua "inação na igreja perseguida na região".

Confira abaixo o discurso do legislador na íntegra:

Levanto-me hoje como um seguidor de Jesus e membro vitalício da Igreja Presbiteriana dos EUA, que estava profundamente entristecido pelo que aconteceu na reunião da semana passada da Assembléia Geral da PCUSA. Sinto-me cada vez mais alienado dessa rica tradição de fé, que inclui John Witherspoon, o único clérigo ativo para assinar a Declaração de Independência, e enviar para os arquivos uma declaração de protesto pelo Conselho de Administração da Presbyterian Lay Committee, que expressa um sentimento semelhante.

Vou começar com o casamento. Após vários anos de discussão interna e debater, a assembléia votou esmagadoramente para tomar uma posição que vai contra o conselho da Escritura, que define o casamento como divinamente inspirado pela união de um homem e uma mulher.

Tem sido claro que a nossa cultura está no meio de uma mudança sísmica sobre esta questão. Enquanto o debate sobre o casamento atual tem se centrado em torno da noção de uniões do mesmo sexo, na realidade, tem ocorrido durante décadas um assalto ao casamento, de modo que o que antes era quase universalmente reconhecido, ordenado e criado como uma instituição de Deus, o bloco de construção fundamental de qualquer sociedade e do nexo de procriação e educação dos filhos, já foi posta em causa, tanto na cultura mais ampla e cada vez mais o quadro jurídico que rege a esta terra.

Mas talvez o mais preocupante é que cada vez mais isso esteja acontecendo dentro da própria Igreja, que tem historicamente servido de baluarte contra os caprichos culturais do cotidiano.

No Evangelho de Mateus, Jesus diz: "Você não leu ... que, no início, o Criador os fez macho e fêmea?", e disse: 'Por isso o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher, e serão os dois uma só carne? Assim, eles já não são dois, mas um. Portanto, o que Deus uniu o homem não separa".

Esta passagem e outras como ela me lembram de comentário do reverendo Billy Graham no período em que antecedeu o plebiscito de 2012, na Carolina do Norte, sobre o casamento, quando ele comentou: "A Bíblia é clara: definição de casamento dada por Deus é entre um homem e uma mulher".

Além da casamento, eu também estava preocupado com a ação da PCUSA em Israel. Eu enviei para os registros um trecho publicado no Wall Street Journal, que decorreu ontem sobre o voto da PCUSA a alienar ações da denominação a partir de três empresas americanas que fazem negócios com Israel na Cisjordânia, citando seu "envolvimento na ocupação e na violação dos direitos humanos no região".

Decisão profundamente equivocada da PCUSA em um cenário de crescente anti-semitismo na Europa, e mesmo aqui nos Estados Unidos. Eu enviei para os registros um trecho Washington Post de 20 de junho, destacando o problema que observou que "líderes judeus aqui estão agora alertando sobre uma mudança recente e fundamental atrelada a um surto de anti-semitismo interno".

A ação da denominação em Israel está em contraste gritante com sua inatividade na questão da Igreja Perseguida na região. A PCUSA expressamente se recusou a assinar um recentemente publicado "Garantia da Solidariedade e Chamada à Ação" - contrato que mais de 200 líderes religiosos de todo o país assinaram.

Esses representantes da Igreja americana se reuniram em todas as linhas ecumênicas, com a promessa de fazer mais para ajudar as comunidades religiosas minoritárias sitiadas, entre eles as antigas comunidades cristãs no Egito, Iraque e Síria. A PCUSA expressou particular preocupação de que essa ação seria percebida como uma declaração "anti-islâmica".

O próprio texto foi cuidadosamente elaborado com a participação de líderes religiosos aqui nos Estados Unidos e em toda a região, transmitindo que tinha chegado o momento da Igreja no Ocidente "orar e falar com maior urgência sobre esta crise de direitos humanos". Com a decisão da PCUSA de não associar-se a este apelo urgente para a ação, eu me encontro mais uma vez fora de sintonia com a minha denominação de maneira profunda.

Acredito que muitos dos gigantes desta tradição - Entre eles Rev. Peter Marshall, da Igreja Presbiteriana de New York Av., onde o presidente Lincoln, um ex-capelão do Senado, Rev. Dick Halverson, pastor sênior da Quarta Igreja Presbiteriana e também um capelão do Senado, Rev. Louis Evans, pastor da Igreja Presbiteriana Nacional por 18 anos e o Rev. James Boice, pastor da Décima Igreja Presbiteriana da Filadélfia - teriam dificuldade para reconhecer a PCUSA de hoje.

Com informações do Christian Post

*Tradução por João Neto - www.guiame.com.br 

veja também