Quarta-feira de cinzas: símbolo de mudança

Quarta-feira de cinzas: símbolo de mudança

Atualizado: Quarta-feira, 5 Março de 2014 as 1:24

Quarta-feira de cinzas: símbolo de mudançaPara alguns o período é de diversão. Outros aproveitam para descansar. Médicos têm muito trabalho ao lidar com as consequências do abuso da bebida, especialmente quando combinados com a direção. Cristãos advertem sobre os perigos da "festa da carne", expressão que me trouxe à mente alguns pensamentos.
 
Acredito que não seja apenas durante o Carnaval que a carne seja destaque na avenida chamada "existência". Cada vez que relegamos a vida espiritual a um plano secundário, ela prevalece e a alegria que proporciona é tão fugaz quanto a que aparece na TV nos dias de folia.
 
O ambiente de competitividade extrema nas empresas leva muitos profissionais a colocar a carreira sempre nos carros alegóricos mais vistosos. Abandonada na área de dispersão, a família deve contentar-se com as sobras. Isso não seria uma permanente festa da carne na qual o rei Momo foi trocado pelo rei Mamom?
 
No calendário cristão ocidental, a quarta-feira de cinzas é o primeiro dia da Quaresma. A data é um símbolo do dever da conversão e da mudança de vida. Será que há alguma área em nós na qual as fantasias precisam ser rasgadas para revelar o egoísmo mesquinho e objetivos fora do ritmo divino?
 
Que as vãs ambições se transformem em cinzas e o tempo seja investido em fazer a vontade daquele que nos amou primeiro. Nas palavras de Sêneca: "Maior sou e para maiores coisas nasci do que para ser escravo da minha carne".
 
Assim seja.
 
- CARLOS BEZERRA JR., pastor, médico e discípulo de Jesus disfarçado de deputado. Autor de lei apontada pela Organização das Nações Unidas (ONU) como referência mundial no combate ao trabalho escravo. Criador do Programa Mãe Paulistana. Único parlamentar evangélico apontado como o melhor político de São Paulo pela ONG Voto Consciente – que fiscaliza a função pública. Casado com Patrícia Bezerra, pai da Giovanna e da Giulianna.

veja também