Radicais islâmicos mataram cerca de 500 cristãos da Nigéria no mês passado

Cadáveres não identificados desses cristãos foram descobertos, as propriedades foram saqueadas por esses invasores.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quinta-feira, 17 Março de 2016 as 12:01

Cerca de 500 pessoas foram mortas durante o mês passado. Foto: Reuters/Afolabi Sotunde).
Cerca de 500 pessoas foram mortas durante o mês passado. Foto: Reuters/Afolabi Sotunde).

Radicais muçulmanos Fulani já mataram cerca de 500 agricultores predominantemente cristãos no estado de Benue, no centro da Nigéria, em uma série de ataques ao longo do último mês e estão ainda a se esconder entre os aldeões, fazendo com que os sobreviventes fiquem com medo de voltar e enterrar os mortos.

"Nas últimas três semanas, Aku, Odugbeho, Aila, Okokolo e Ikobi foram totalmente destruídas e mais de 300 pessoas foram mortas", Steven Enada, um defensor do desenvolvimento campanha contra a matança do povo Agatu, disse ao Morning Star News.

"Temos cadáveres espalhados no campo como uma guerra travada no Império Romano pelo imperador Nero", acrescentou, afirmando que os sobreviventes estão com muito medo de voltar a enterrar os mortos.

A International Christian Concern, disse na última terça-feira, 15, que no total, cerca de 500 pessoas foram mortas durante o mês passado e milhares de pessoas morreram em confrontos desde 2001.

Os “Fulani” lançaram um ataque pesado contra os agricultores Agatu em 22 de fevereiro, e uma semana depois havia matado mais de 300 pessoas no massacre. Ikwulono John Anthony, um indígena das comunidades cristãs afetadas, disse que alguns dos atacantes ainda estão nas aldeias.

"Eu assumi o risco e vim a Agatu juntamente com a delegação da presidência da Nigéria, onde visitamos Obagaji, Egba, Aila, Adagbo, Okokolo, Akwu, Ugboju, Odugbeho e Odejo", disse ele.
"Aldeias inteiras foram queimadas completamente pelos ‘Fulani’. Cadáveres não identificados desses cristãos foram descobertos, as propriedades foram saqueadas por esses invasores. Como eu falo para você, os ‘Fulani’ estão vivendo nas aldeias desertas".

Acusações

Líderes Fulani estão aparentemente acusando os agricultores de matar até 10 mil vacas, algo que os moradores locais negam. Emmanuel Ogebe, um advogado de direitos humanos, disse ao Morning Star News que os moradores nem sequer têm os meios para abater um número tão grande de vacas.

"Tal matança em massa levaria semanas e os restos mortais das vacas seria um adicional na paisagem da Agatu, e o fedor que permeiam o ar", disse ele. Ogebe acrescentou que ele sente que há motivação religiosa por trás dos ataques, com os radicais jihad para assumir as aldeias.

O ICC fez notar que, embora existam tensões históricas sobre direitos à terra para criação de gado contra a agricultura na região, seria errado concluir que a matança em massa dos cristãos é devido apenas aos conflitos tribais.

"Não podemos permitir a frequência e brutalidade intensificada contra os cristãos que continuam a sofrer nesta região para nos dessensibilizar à perda real do humano e sofrimento que eles experimentam," Troy Agostinho, gerente regional da ICC para a África, disse em fevereiro.

"As autoridades nigerianas devem seguir o seu primeiro mandato em proteger todos os nigerianos contra ameaças violentas a vida e a propriedade, qualquer que seja a fonte, em vez de permitir estes crimes para continuar impunes e convenientemente explicada através da lente de guerras por recursos e tensões tribais históricas", ressaltou.

Os ataques continuaram apesar do Presidente Muhammadu Buhari mandar investigar os confrontos entre os Fulani e os agricultores cristãos, expressando seu "profundo choque" no nível de violência que tenha sido cometido. Os ataques em curso também têm deslocado cerca de 7 mil moradores de suas casas.

veja também