"Se nosso país permanecer fiel ao Criador, viveremos nossos melhores dias", diz Trump

Donald Trump participou de um evento com cristãos e os encorajou a não ceder à pressão da crescente intolerância religiosa, nos EUA.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Sexta-feira, 9 Junho de 2017 as 9:13

Donald Trump durante Conferência da Faith & Freedom. (Foto: AP)
Donald Trump durante Conferência da Faith & Freedom. (Foto: AP)

Falando em uma sala repleta de cristãos e conservadores sociais na última quinta-feira (8), o presidente Donald Trump declarou que a verdade de Deus prevalecerá contra o "ódio" e o "preconceito" que o "interesse entrincheirado" tem em relação à religião e à fé nos Estados Unidos.

Trump deu um discurso na conferência anual "Road to Majority" ("Estrada para a Maioria"), organizada pela Coalizão Fé & Liberdade, no Omni Shoreham Hotel, em Washington (DC), no qual ele proclamou que os valores dos conservadores religiosos estão "sob cerco" nos Estados Unidos.

"Nós sempre apoiaremos nossa comunidade evangélica e defenderemos o seu direito e o direito de todos os americanos de seguirem e viverem pelos ensinamentos de sua fé. Como vocês sabem, estamos sob cerco", disse Trump. "Vocês entendem isso, mas vamos sair dessa ainda maiores, melhores e mais fortes do que nunca".

Trump advertiu a multidão que o "interesse entrincheirado" e as "vozes amargas falhas" em Washington farão tudo o que estiver ao seu alcance para tentar frustrar "essa causa justa" e tentar ameaçar os direitos das pessoas de fé.

"Eles vão mentir. Eles vão obstruir. Eles espalharão seu ódio e seu preconceito, mas não vamos recuar, nem deixar de fazer o que é certo", garantiu Trump. "Porque, como a Bíblia nos diz, sabemos que a verdade prevalecerá, que a gloriosa sabedoria de Deus resplandecerá e que as pessoas boas e decentes deste país receberão a mudança pela qual votaram e da qual são tão ricamente merecedores".

"Nunca foi fácil fazer algo que vale a pena, mas sabemos melhor que ninguém como lutar e nunca mais vamos desistir", continuou Trump. "Nós somos vencedores. Vamos lutar, vencer e ter um futuro inacreditável ... vamos estar juntos".

Trump detalhou muitas das promessas de campanha que ele conseguiu preencher até agora nos primeiros meses de sua presidência.


Ordem Executiva de Liberdade Religiosa
Depois de mencionar como ele retirou os EUA do acordo de mudança climática de Paris, reintegrou a Política da Cidade do México, nomeou o juiz Neil Gorsuch para a Suprema Corte dos EUA e listou outras realizações, Trump falou sobre a ordem executiva de liberdade religiosa que ele assinou no mês passado.

O pedido instrui a Receita Federal dos Estados Unidos a não penalizar igrejas, pastores e organizações religiosas ​sob a Emenda Johnson, por simplesmente se posicionarem oficialmente sobre questões políticas. Além disso, a nova lei instrui o Departamento de Saúde e Serviços Humanos a considerarem formas de acomodar as preocupações de liberdade religiosa em questões como o mandato anticoncepcional do sistema 'Obamacare'. A ordem também convida o Departamento de Justiça a emitir orientações que interpretem as proteções da liberdade religiosa nos termos da lei.

"Eu só quero felicitar todos nesta sala porque isso foi algo grande, foi muito importante para mim, poder fazer isso por vocês e ainda não terminamos", disse Trump sobre a ordem. "Acredite, ainda não terminamos".

"Enquanto eu for presidente, ninguém vai impedi-los de praticar sua fé e pregar o que está em seu coração", acrescentou Trump. "Nós assumimos uma posição muito, muito forte".

Além de garantir que pastores e igrejas tenham o direito de falar livremente, Trump acrescentou que as escolas devem abraçar a fé para que "as crianças conheçam as bênçãos de Deus".

"As escolas não devem ser um lugar que expulsa a fé e a religião, mas que deve acolher fé e religião de braços bem abertos", afirmou Trump. "A fé nos inspira a sermos melhores, a sermos mais fortes, a sermos mais carinhosos e presentes e mais determinados a agir em defesa desinteressada e corajosa do que é bom e do que é certo".

Trump declarou que "é hora de pôr fim aos ataques à religião" e prometeu "acabar com a discriminação contra pessoas de fé".

"Na América, não adoramos o governo. Adoramos a Deus", disse ele. "Nossa liberdade religiosa está consagrada na primeira emenda da Declaração de Direitos. Os fundadores norte-americanos invocaram o Criador quatro vezes na Declaração de Independência. Não se preocupe, não vamos deixar que isso mude".

Depois de falar sobre a ameaça crescente do terror radical islâmico, Trump proclamou que seu governo está "determinado a trabalhar para proteger a liberdade religiosa" para todos.

"Juntos, podemos esmagar os horrores do terrorismo", afirmou. "Nós podemos inaugurar um novo tempo de fé, família e liberdade porque entendemos que uma nação é mais do que apenas um fator geográfico. Uma nação é a soma de seus cidadãos, suas esperanças, seus sonhos, seus valores e orações".

"Enquanto nos orgulharmos de nossas crenças, nossa coragem em nossas convicções e fé em nosso Deus, não falharemos", concluiu Trump. "Enquanto nosso país permanecer fiel a seus valores, leal aos seus cidadãos e dedicado ao seu Criador, viveremos nossos melhores dias de novo, porque faremos a América grande de novo".

veja também