Sobre suicídio, solidão e redes sociais

O tema entrou em discussão após a morte de Fausto Fanti, o "Renato" da dupla Hermes e Renato.

fonte: Guiame

Atualizado: Segunda-feira, 4 Agosto de 2014 as 10:56

A cada dia, 26 brasileiros se suicidam no Brasil. Como a imprensa trata o assunto com reservas, a maioria das pessoas ignora a dimensão desse problema gravíssimo.

O tema entrou em discussão após a morte de Fausto Fanti, o "Renato" da dupla Hermes e Renato. O humorista foi encontrado morto em seu apartamento no bairro de Perdizes no final desta tarde de 30/07.

A taxa de suicídio entre adolescentes e jovens no Brasil aumentou pelo menos 30% nos últimos 25 anos. De acordo com especialistas, a galera não tem mais redes de apoio, vivendo o paradoxo da solidão em meio a milhares de contatos no Twitter e no Facebook.

Nesta época em que editamos a vida para exibir somente momentos de alegria transbordante, a pressão de estar sempre feliz às vezes torna-se insuportável. Quando as circunstâncias se agravam, o que poderia ser apenas um pedido de socorro pode transformar-se em ponto final da existência, tatuando parentes e amigos com uma dor permanente.

Vejo com entusiasmo o interesse das igrejas em usar a Internet como ferramenta de evangelismo. No entanto, talvez seja o momento de repensar a estratégia, falando um pouco menos e ouvindo mais. Pessoas em situação de risco emitem sinais que só podem ser captados num ambiente de acolhimento e de empatia.

Que Deus console os familiares do Fausto Fanti e nos ajude a sermos cada vez mais co-promotores da vida abundante prometida por Cristo em João 10.10. Como escreveu Ivan Lins, "depende de nós".

Por Carlos Alberto Bezerra Jr.

veja também