Tribunal decide pela liberdade de cristã que havia sido forçada a casamento islâmico

Fouzia Bibi foi forçada a se casar com seu chefe e passou dois anos sendo sua escrava sexual.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quarta-feira, 26 Abril de 2017 as 9:59

Entre 100 a 700 meninas cristãs são raptadas, estupradas e forçadas a casamentos islâmicos todos os anos. (Foto: BPCA).
Entre 100 a 700 meninas cristãs são raptadas, estupradas e forçadas a casamentos islâmicos todos os anos. (Foto: BPCA).

Uma mulher cristã paquistanesa, mãe de três filhos, que foi raptada, estuprada e forçada a  se casar com seu sequestrador em uma cerimônia islâmica há dois anos, finalmente ganhou sua liberdade depois que o tribunal lhe concedeu o divórcio.

A associação cristã paquistanesa britânica (BPCA) anunciou que Fouzia Bibi, de 31 anos, trabalhadora de Pattoki, que foi sequestrada por seu chefe de 61 anos, Muhammed Nazir, em julho de 2015, recebeu a separação oficial de um tribunal da família de Lahore. Seu depoimento foi ouvido no mês passado.

Como relatado anteriormente, Fouzia e sua família viviam como trabalhadores em uma fábrica de tijolos de propriedade de Muhammed Nazir. Depois que a esposa de Nazir morreu, ele começou a fazer “avanços sexuais” em direção a Fouzia.

Embora sua família tenha ajudado Fouzia a escapar da casa de Nazir no início de 2016, Nazir e sua família apresentaram um relatório policial contra a empregada, alegando que ela havia roubado jóias de sua casa. De acordo com o BPCA, os oficiais de polícia foram à casa da família de Fouzia e ameaçaram prender outro membro da família se ela não retornasse a Nazir.

Devolvida

Embora a BPCA tenha oferecido esconder Fouzia, seu irmão e irmã em um local seguro dentro do Paquistão, foi relatado em março de 2016 que a família relutantemente devolveu a mulher para Nazir para evitar que a família sofresse mais perseguição.

Depois de passar vários meses como escrava de Nazir, a BPCA anunciou que ajudou a família a resgatar Fouzia em outubro do ano passado. Ela recebeu abrigo e ajuda em um local seguro.

"Eu pensei que Deus tinha me deixado e queria acabar com minha vida, eu parei de orar e me odiava. Achei que eu era mau e que havia feito algo para fazer Deus me odiar", disse Fouzia à BPCA, acrescentando que Nazir a fez de cozinheira, além de ter que cumprir seus desejos sexuais.

"Eu me sentia suja e imunda o tempo todo, o monstro me fez fazer coisas que eu tenho tanta vergonha, mas eu não tive escolha. Isso me deixou com raiva e pensei que Deus estava me culpando", relatou.

Estratégia

Depois que a BPCA aprendeu sobre uma nova lei que piora as punições para os que forçam menores e mulheres religiosas em casamentos no Paquistão, a organização persuadiu a família procurar um divórcio legal no tribunal. Depois de contratar um advogado chamado Naiz Aamer, um caso de divórcio foi arquivado em um tribunal de família em Lahore no dia 13 de fevereiro.

A BPCA relata que Nazir não apareceu para sua audiência em 17 de março. Em seguida, em 27 de março, Fouzia registrou seu depoimento no tribunal e detalhou suas experiências terríveis vivendo como escrava sexual de Nazir. Ela finalmente recebeu o divórcio.

"A liberdade de Fouzia será um grande salto para mais de milhares de meninas cristãs que estão presas em casamentos islâmicos forçados. Elas oram por suas emancipações", disse o presidente da BPCA, Wilson Chowdhry, em um comunicado compartilhado no site The Christian Post. "Esse julgamento é um salto em direção a um Paquistão mais justo, mas nosso trabalho só começou. Estamos fazendo uma prioridade absoluta do nosso grupo para continuar a libertar essas pobres meninas", finalizou.

De acordo com um relatório de 2014 da ONG Movimento de Solidariedade e Paz, entre 100 a 700 meninas cristãs são raptadas, estupradas e forçadas a casamentos islâmicos todos os anos. A BPCA está aceitando doações on-line que irão ajudar outras famílias como a de Fouzia que estão enfrentando forte perseguição no Paquistão, país classificado como o quarto pior no mundo quando se trata da perseguição de cristãos.

veja também