Ações para combater turismo sexual são discutidas por Lucena em preparação para as Olimpíadas 2016

Grandes eventos, como os Jogos Olímpicos de 2016, estimulam o turismo sexual no país, mas reforçam a rede de proteção contra a exploração sexual, conforme aponta o Ministério do Turismo.

fonte: Guiame, com informações de O Globo

Atualizado: Terça-feira, 13 Outubro de 2015 as 11:37

Reunião na Secretaria da Justiça e Cidadania. (Foto: Reprodução/ Secretaria de Turismo)
Reunião na Secretaria da Justiça e Cidadania. (Foto: Reprodução/ Secretaria de Turismo)
A menos de um ano das Olimpíadas 2016, sediadas no Rio de Janeiro, o turismo sexual é apresentado como um tema que gera preocupação das autoridades.
 
Nesta quinta-feira (8) o pastor e secretário de Turismo do Estado de São Paulo, Roberto de Lucena, se reuniu com Aloísio de Toledo César, secretário da Justiça e Defesa da Cidadania, a fim de discutir sobre ações de prevenção ao turismo sexual infantojuvenil.

“Vamos firmar uma parceria, por meio de um convênio, com a participação das duas pastas, visando ações de prevenção à exploração sexual de crianças e adolescentes durante as Olimpíadas de 2016”, explica Roberto de Lucena.

Além de estados como Belo Horizonte, Brasília, Salvador, Manaus, as terras paulistas também serão um dos locais mais visitadas pelos turistas durante o torneio.

Entre as ideias apresentadas pelos secretários durante o encontro estão a distribuição de informativos nos aeroportos alertando sobre as penas previstas na legislação brasileira contra o crime de exploração sexual.

A promoção de campanhas de esclarecimento nas escolas, faculdades e instituições públicas e a criação de um disque denúncia também foram sugeridas pelos governantes.

Turismo sexual e a Internet

De acordo com uma pesquisa divulgada pela empresa Axur, no início do ano, surgiram cerca de 3.350 sites, em diversas línguas, associando o País à pornografia ou o vendendo como um bom destino para o turismo sexual de 2013 até 2014.
 
Do número total de sites, 2.576 associa o Brasil ou seus símbolos nacionais à pornografia. Outros 555 usam o país para promover a prostituição, 74 incentivam o turismo sexual e 124 relacionam o país à pornografia infantil. Foram detectadas, até mesmo, 17 páginas voltadas à zoofilia, ou seja, o sexo com animais. Além desses, quatro sites vendem pacotes de turismo sexual para o Brasil.

Segundo a Axur, o Rio de Janeiro, por ser o principal cartão-postal do Brasil, é o mais vendido quando se trata de turismo sexual — mas não é o único. Foi identificada, por exemplo, uma página voltada especificamente para Fortaleza, um dos principais destinos de turismo sexual no país.
 
Grandes eventos, como os Jogos Olímpicos de 2016, estimulam o turismo sexual no país, mas reforçam a rede de proteção contra a exploração sexual, conforme aponta o Ministério do Turismo. O monitoramento dos sites é feito pela Polícia Federal, que integra uma comissão juntamente com a pasta e outros membros do governo e da sociedade civil.

veja também