Afastado da Marinha por dar conselhos cristãos, ex-comandante recebe apoio com mais de 40 mil assinaturas

Modder foi acusado de não demonstrar "tolerância e respeito" por causa de seus aconselhamentos pessoais sobre questões relacionadas à fé, casamento e sexualidade.

fonte: Guiame, com informações de Charisma News

Atualizado: Sexta-feira, 13 Março de 2015 as 7:57

Wes Modder, capelão da Marinha Americana.
Wes Modder, capelão da Marinha Americana.

 

Um capelão da Marinha Americana está em processo de desligamento da corporação por aconselhar seus colegas de trabalho com base nos princípios cristãos. Injustiçado, o comandante Wes Modder teve apoio de mais de 40 mil pessoas em um abaixo assinado, além de contar com o suporte do evangelista Franklin Graham e do ex-governador de Arkansas, Mike Huckabee.

Dentre os motivos da acusação, feita pelo assistente homossexual de Modder, estavam: dizer a uma mulher que ela estava se envergonhando aos olhos de Deus por ter relações sexuais antes do casamento; dizer a um aluno que a homossexualidade era errada e que o pênis foi feito para a vagina, e não para o ânus; repreender uma estudante de solteira sobre riscos de gravidez.

Franklin Graham, presidente da Associação Evangelística Billy Graham, defendeu Modder no Facebook . "É um triste dia na América, quando capelães militares têm que escolher entre serem fiéis à sua fé ou manter seus empregos. Mas isso é o que está acontecendo em todos os níveis, sob a administração de Obama", criticou. 

Mike Huckabee, um potencial candidato à Casa Branca em 2016, questionou se é ilegal ser cristão nas forças armadas. "Os planejadores militares de hoje parecem pensar que não deve haver nada, apenas ateus nas trincheiras, e isso inclui os capelães.”

Mais de 40 mil pessoas assinaram uma petição do Conselho de Pesquisa da Família para que Modder retome sua posição. "Se você acha que os capelães têm em dos trabalhos mais estáveis do militarismo, pense novamente", disse o presidente do Conselho, Tony Perkins. "Os homens do pano estão sob alguns dos mais pesado fogo e que está vindo de seu próprio lado." 

O mais preocupante é a possibilidade de que o funcionário gay possa ter se dirigido ao capelão cristão, que segue os ensinamentos da Bíblia a respeito da sexualidade, intencionalmente. Se o indivíduo não concorda com conselhos cristãos, não deve ir até um capelão cristão. 

 

 

veja também