Alunos de escolas públicas são obrigados a recitar que "Alá é o único Deus" nos EUA

Alunos do estado de Tennessee estão sendo atribuídos a escrever uma declaração afirmando que Alá é supremo e ler livros que narram doutrinas islâmicas e fatos em torno de suas crenças, segundo informou o Centro Americano para a Lei e a Justiça (ACLJ).

fonte: Guiame, com informações de WND

Atualizado: Terça-feira, 15 Setembro de 2015 as 11:37

Alunos de escolas públicas são obrigados a recitar que "Alá é o único Deus". (Foto: WND)
Alunos de escolas públicas são obrigados a recitar que "Alá é o único Deus". (Foto: WND)

 

No início do ano, alunos das escolas públicas de Madison, capital de Wisconsin (EUA) tiveram que cumprir uma atividade que os levaram a "fingir que eram muçulmanos", enquanto alunos da Flórida foram instruídos a "recitar os Cinco Pilares do Islã como uma oração, fazer tapetes de oração islâmica e executar outras rituais muçulmanos".

Agora, os alunos do estado de Tennessee estão sendo atribuídos a escrever uma declaração afirmando que Alá é supremo e ler livros que narram doutrinas islâmicas e fatos em torno de suas crenças, segundo informou o Centro Americano para a Lei e a Justiça (ACLJ) nesta segunda-feira (14). Os pais desses alunos organizaram protestos contra este tipo de ensino, e uma petição já reuniu mais de 120 mil assinaturas voltadas à ACLJ.
 
No distrito escolar do condado de Maury, Brandee Porterfield, mãe de uma aluna da 7ª série, disse que sua filha "trazia material escolar para casa contendo informações sobre os Cinco Pilares do Islã". Por outro lado, a escola ignorava a seção do livro sobre o cristianismo.
 
Os funcionários da escola explicaram que o cristianismo não era parte das normas do Estado, por isso não foi coberto pela grade curricular.
 
"Eu tenho um grande problema com isso. De um ponto de vista histórico, isso é um monte de história dessas crianças estão desaparecidas ", disse Porterfield. "Além disso, para eles para passar três semanas sobre o Islã depois de ter pulado o cristianismo, parece ser a de que eles estão fazendo uma escolha sobre qual religião para discutir."

A ACLJ condenou o ato dessas escolas e o classificou como inconstitucional. "A doutrinação de estudantes com os preceitos de se converter ao Islã e forçá-los a recitar "Alá é o único Deus" não são temas sensíveis, é inconstitucional. Imagine o clamor da Fundação Livre de Religião (FFRF) e outras organizações ateístas se fosse distribuído um guia de estudos afirmando que "Jesus é o Filho de Deus", e as crianças fossem obrigadas a recitar a "oração do Senhor", disse a organização.
 
Jan Hanvey, uma supervisora de ensino médio para Maury County Public Schools, disse que o currículo cobre o assunto há décadas, e budismo e hinduísmo também são abordados. Ela acrescentou que o capítulo sobre o cristianismo não foi ignorado, mas sim adiado.
 
Agora, a ACLJ está tomando medidas. "É um princípio constitucional claro que a educação pública não pode doutrinar a mente dos jovens em uma religião. Os professores e as escolas podem ensinar o que diferentes tradições de fé acreditam e como isso tem afetado a história mundial e a geografia. Mas a escola não pode censurar o cristianismo e promover o Islã".

veja também