Alunos são proibidos de recitar Bíblia na peça "O Natal do Charlie Brown" e pais protestam

W.R. Castle Elementary School foi uma das escolas censuradas. No entanto, depois que seu diretor vetou a texto religioso que falava sobre o verdadeiro significado do Natal, protestos foram instalados em frente ao prédio do colégio por vários dias.

fonte: Guiame, com informações de Washington Times e Christian Today

Atualizado: Terça-feira, 22 Dezembro de 2015 as 11:49

Em uma das cenas mais emocionantes da animação, o personagem Linus van Pelt recita o texto bíblico de Lucas 2:8-14. (Foto: TV Sul)
Em uma das cenas mais emocionantes da animação, o personagem Linus van Pelt recita o texto bíblico de Lucas 2:8-14. (Foto: TV Sul)
O especial de TV "O Natal do Charlie Brown" foi transformado em uma peça de teatro em uma escola do estado norte-americano do Kentucky. No entanto, a condição da diretoria imposta aos alunos foi a de retirar um trecho bíblico do roteiro.

Em uma das cenas mais emocionantes da animação, o personagem Linus van Pelt recita o texto bíblico de Lucas 2:8-14 ([...] "Hoje, na cidade de Davi, lhes nasceu o Salvador que é Cristo, o Senhor" [...]).
 
No entanto, o superintendente do Condado de Johnson, Thomas Salyer, alertou as escolas no início do mês para se certificarem de que o incentivo à qualquer religião fosse evitado nas performances de natal.

W.R. Castle Elementary School foi uma das escolas censuradas. No entanto, depois que seu diretor, Jeff Cochran, vetou a texto religioso que falava sobre o verdadeiro significado do Natal, protestos foram instalados em frente ao prédio do colégio por vários dias.

Na apresentação realizada na semana passada, nenhum estudante recitou a fala de Linus sobre o Evangelho de Lucas. No entanto, a platéia formada, em grande parte, pelos pais dos alunos, recitou o trecho bíblico como forma de protesto.

"Os pais que estavam nas arquibancadas citaram o versículo do livro de Lucas, e foi simplesmente um momento incrível. Todo mundo estava, praticamente, aplaudindo em lágrimas. Foi um grande momento", disse Joey Collins, pai de um estudante do Kentucky.
 
Convicção
 
O Reverendo Franklin Graham, filho do famoso evangelista Billy Graham, também se manifestou sobre o caso. "Os alunos foram obrigados a deixar de fora o verdadeiro significado do Natal, registrado na Bíblia. Que tipo de programa de Natal é esse? É uma pena que muitos já não dão boas-vindas à Cristo em sua própria história", disse ele em sua página no Facebook.

Graham explicou que há 50 anos, quando Charles Schultz, criador das tiras de jornal Peanuts, escreveu os primeiros especiais de natal, a censura já existia. Os produtores ameaçaram cortar a recitação de Linus sobre o nascimento de Jesus, porque colocar o texto da Bíblia em uma animação era algo que nunca havia sido feito.

"Mas Schultz não voltou atrás, e não devemos recuar agora. Ele estava absolutamente certo quando disse: 'Se vamos fazer um Natal especial, nós realmente temos que fazê-lo da maneira certa", lembrou Graham.

veja também