Após permitir entrada de pastor na concentração, chefe de segurança da seleção é demitido

O coronel Moacyr Alcoforado, nomeado pelo ex-presidente José Maria Marin, acabou perdendo seu cargo após o mal-estar gerado na comissão técnica.

fonte: Guiame, com informações de ESPN

Atualizado: Quarta-feira, 25 Novembro de 2015 as 10:46

Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

A CBF demitiu o chefe de segurança da seleção por ter permitido a entrada de um pastor que realizou um momento de oração com os atletas na concentração do time. O coronel Moacyr Alcoforado, nomeado pelo ex-presidente José Maria Marin, acabou perdendo seu cargo após o mal-estar gerado na comissão técnica.

Na ocasião, o pastor Guilherme Batista, de 25 anos, postou imagens nas redes sociais onde orava com os jogadores. Nas postagens, ele agradeceu a David Luiz e Kaká pelo convite para oração no hotel que estavam hospedados em Boston (EUA).

Dentre os jogadores presentes na reunião estavam Alisson, Douglas Santos, Douglas Costa, Fabinho, Jefferson, Lucas Moura, Marcelo Grohe e Lucas Lima. O pastor chegou ainda a posar ao lado do técnico Dunga, escrevendo na legenda da imagem: "Café da manhã com o chefe".

Guilherme, que é líder e fundador do ministério Transformados, de Goiânia (GO), ainda revelou que três integrantes do time entregaram suas vidas a Jesus e celebrou o acontecimento. "Hoje o céu esteve em festa em nossa reunião, pois 3 vidas se entregaram a Cristo voltando pra Jesus e tomando a decisão certa!"

Semanas depois, Dunga se mostrou visivelmente incomodado com o episódio diante da imprensa, ressaltando que reuniões religiosas não são permitidas dentro da seleção. O técnico também se indignou com Batista que, em sua avaliação, teria tentado se promover.

"Não permiti. Nem eu, nem o Gilmar (Rinaldi) e nem a seleção. Dentro da seleção, as coisas são feitas com transparência. Nós temos uma sala onde os jogadores podem receber seus familiares ou pessoas mais perto. Não é que nada é proibido, mas na seleção brasileira não é local de exposição religiosa, política. Ali nós temos que nos concentrar no que estamos fazendo, que é jogar futebol apenas", afirmou Dunga na ocasião.

Evangélicos em campo

Uma pesquisa realizada pelo UOL Esportes no ano passado, revelou que a maioria dos jogadores de futebol são evangélicos. Dentre os entrevistados, estavam jogadores do Atlético-MG, Botafogo, Corinthians, Cruzeiro, Flamengo, Fluminense, Grêmio, Internacional, Palmeiras, Santos, São Paulo e Vasco da Gama, que responderam anonimamente se eram religiosos, se sim, qual era sua religião.

O resultado mostrou que 19% dos jogadores afirmaram não ter religião, 18% são católicos, e os evangélicos somam 35% do total, sendo 2% frequentadores da Igreja Batista.

Entre os cristãos atuantes no Brasil mais conhecidos, estão o meia Ricardo Kaká, do São Paulo, o goleiro Jefferson, do Botafogo, o lateral-direito Leonardo Moura, do Flamengo, o zagueiro Lúcio do Palmeiras, o centroavante Luis Fabiano e o volante Souza, ambos do São Paulo. Internacionalmente, Neymar, atual atacante do Barcelona, o volante Felipe Melo, do Galatasaray, e o zagueiro David Luiz se identificam como evangélicos.

Outro grande destaque é Ricardo Oliveira, atual atacante do Santos e novo escalado para jogar na seleção. Cristão e também atuante como pastor da Assembleia de Deus, o jogador costuma fazer reuniões de oração na Vila Belmiro.

veja também