Ataques do Estado Islâmico matam pelo menos 70 pessoas em Bagdá

De acordo com os policiais, esse ataque foi o mais letal de uma onda de explosões recentes que tiveram como alvo áreas comerciais dentro e fora da capital iraquiana.

fonte: Guiame, com informações da AFP

Atualizado: Segunda-feira, 29 Fevereiro de 2016 as 10:07

AFP
AFP

Pelo menos 70 pessoas morreram e 100 ficaram feridas em um duplo atentado suicida realizado no último domingo, 28, no norte de Bagdá em uma feira ao ar livre de um bairro xiita. O ataque foi reivindicado pelo grupo "Estado Islâmico" (EI) que tem como objetivo estabelecer a lei islâmica e punir ou exterminar todo aquele que não obedece a essa lei.

Minutos depois de uma bomba ter explodido na feira de Mredy, no bairro xiita de Sadr City, um suicida detonou explosivos em meio à multidão que havia se reunido no local da primeira explosão.

De acordo com os policiais, esse ataque foi o mais letal de uma onda de explosões recentes que tiveram como alvo áreas comerciais dentro e fora da capital iraquiana. Em 2014, o EI invadiu faixas de território a norte e oeste do Iraque. Agora eles reivindicam os ataques em um comunicado online, afirmando que dois suicidas tinham detonado cintos explosivos em Sadr City.

Em Mahmoudiya, aproximadamente 30 quilômetros ao sul de Bagdá, foram mortas três pessoas e 10 ficaram feridas pela explosão de uma bomba dentro de um mercado. Quatro outras foram mortas em um ataque à bomba no bairro de Dora, no sul de Bagdá. Os jihadistas sunitas do EI regularmente têm como alvo forças do governo, civis e especialmente xiitas, que consideram como hereges.

Esses ataques ocorreram horas depois de as forças de segurança iraquianas repelirem uma investida dos jihadistas contra uma unidade das forças de segurança iraquianas no subúrbio de Abu Ghraib, no oeste de Bagdá.

Os jihadistas atacaram a unidade no início da manhã de domingo, mantendo-a sob seu controle até que reforços do governo chegaram e retomaram o prédio no final do dia, segundo policiais. A violência em Abu Ghraib matou ao menos oito pessoas, incluindo membros das forças de segurança e paramilitares aliados, ferindo ao menos 22.

A onda de ataques na região da capital tem crescido nos últimos tempos, especialmente desde que o Exército e seus aliados internacionais lançaram ofensivas fortes no Norte e Oeste do país para recuperar o controle das cidades, vilas e áreas rurais controladas pelo Estado Islâmico.

Outros ataques

Na última quinta-feira, 25, dois ataques suicidas contra uma mesquita xiita no Noroeste de Bagdá matou sete civis e deixou outros 31 feridos. Nenhum grupo armado reivindicou os ataques, embora o governo local tenha acusado o Estado. Aproveitando o desconforto de muitos grupos sunitas, o Estado Islâmico é uma milícia criada após anos de repressão sectária e discriminação política para expandir seu controle territorial no país.

veja também