Ator de "Deus Não Está Morto 2" critica sátira de humor sobre o filme: "Diabólico"

Boone descreveu o vídeo como, entre outras coisas, "diabólico". "Algo pode ser diabolicamente engraçado, mas essa esquete é diabólica e Deus tem apenas um inimigo real.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Sexta-feira, 22 Abril de 2016 as 12:03

Boone disse que não vai fazer um pedido de desculpas ao programa. (Foto: Reprodução).
Boone disse que não vai fazer um pedido de desculpas ao programa. (Foto: Reprodução).

O cantor e ator Pat Boone denunciou uma sátira realizada no programa "Saturday Night Live", que satirizou o filme "Deus Não Está Morto 2, chamando a paródia de "sacrilégio". O vídeo foi transmitido no sábado passado (16), fazendo uma piada com o filme cristão e suas bases ideológicas.

Em uma entrevista com o The Hollywood Reporter, Boone descreveu o vídeo como, entre outras coisas, "diabólico". "Algo pode ser diabolicamente engraçado, mas essa esquete é diabólica e Deus tem apenas um inimigo real. Satanás ridiculariza a fé e eles estão tomando o lado do diabo”, comentou Boone, que teve um papel no filme.

"Eles também estão ofendendo ao filme e a mim, dizendo aos jovens para não ver o filme por ele ser ridículo. Em seguida, eles colocaram o advogado como um judeu para fazer o olhar do cristão ainda pior".

Boone disse que não vai fazer um pedido de desculpas ao programa, pois ele acredita que os escritores da "SNL" "não vão responder. “Eles respondem à quem difamar, e há consequências", disse.

"Esta esquete foi liminarmente um sacrilégio. Eles sabem que se eles fizessem isso aos muçulmanos, eles teriam que ser colocados no programa de proteção a testemunhas", continuou Boone.
"Não há nada sagrado no 'SNL'. Exceto, talvez, as palavras 'Mohammad' ou eles nunca dizem esses nomes em vão. Mas quando eles fazem uma sátira com Deus, eles dizem seu nome em vão".

Lançado nos cinemas americanos no dia 1 de Abril e estrelado por Melissa Joan Hart e Jesse Metcalfe, "Deus Não Está Morto 2” segue a história de um professora punida por mencionar Jesus na sala de aula.

A sequela de 2014 ganhou mais de US $ 7,6 milhões em seu primeiro fim de semana e contou com participações especiais de celebridades cristãs e figuras públicas. Alguns críticos argumentam que é a propaganda evangélica que alimenta um complexo de perseguição e a sátira parece inspirar-se nesta crítica.

A paródia concentra-se em uma mulher chamada Beth que está sendo processada por se recusar a fazer um bolo de casamento gay, por um casal e seu advogado judeu, argumentando que ela deve declarar que "Deus é gay".

"Eles dizem que somos fanáticos, mas os cristãos é o grupo mais oprimido neste país", explica Beth. "Mas eu vou provar de uma vez por tudo o que Deus é em linha reta". Em um momento, o colega de trabalho de Beth diz: "O que você está pensando? Os gays são a força mais poderosa da América".

Boone não é a única pessoa a criticar a paródia. Mairead McArdle do Newsbusters.org também comentou sobre o esboço SNL. "A sátira pateta do SNL de humor parece estar zombando de Deus e os cristãos. Enquanto os cristãos nunca devem ser morosos ou perder os sentidos de humor, levando Deus para o nosso nível de risos, não é comédia de qualidade", escreveu McArdle.

veja também