Brasileiros criam pulseira com ‘chip’ para substituir cartões nas compras

Embora a pulseira ATAR Band não traga a proposta de implantar seu chip sob a pele do usuário, o advento de aparatos tecnológicos que facilitam as compras reacendem a discussão sobre a “marca da besta”, descrita no livro bíblico de Apocalipse.

fonte: Guiame, com informações de TecMundo

Atualizado: Sexta-feira, 24 Junho de 2016 as 12:12

A ATAR Band é uma pulseira inteligente equipada com um chip NFC, que pode transferir dinheiro para qualquer máquina de cartões compatível com a tecnologia contactless. (Foto: Divulgação)
A ATAR Band é uma pulseira inteligente equipada com um chip NFC, que pode transferir dinheiro para qualquer máquina de cartões compatível com a tecnologia contactless. (Foto: Divulgação)

Uma startup brasileira desenvolveu um produto que pretende substituir o cartão e o dinheiro nos pagamentos presenciais — basta que o usuário utilize apenas seu “pulso”.

A ATAR Band é uma pulseira inteligente equipada com um chip NFC, que pode transferir dinheiro para qualquer máquina de cartões que seja compatível com a tecnologia contactless. Segundo estatísticas da empresa, o serviço está disponível em 85% das maquininhas nacionais.

O dinheiro deve ser aplicado no acessório através de um boleto bancário, gerado no aplicativo para smartphones da ATAR Band. Depois de ser munida de créditos, a pulseira está pronta para realizar pagamentos à vista; basta aproximá-la do terminal do vendedor e inserir sua senha.

A ATAR Band começou a ser vendida no dia 18 de maio pelo preço sugerido de R$ 299 através de seu site oficial. O projeto, que começou a ser discutido em 2014, já recebeu oito premiações e pelo menos R$ 1 milhão em aportes, graças ao seu enorme potencial de crescimento.

Marca da besta?

Embora a ATAR Band não traga a proposta de implantar seu chip sob a pele do usuário, o advento de aparatos tecnológicos que facilitam as compras reacendem a discussão sobre a “marca da besta” descrita no livro bíblico de Apocalipse.

Apocalipse aponta que a “marca seria obrigatória entre os conscientes e inconscientes seguidores da besta, com o aval da figura de autoridade do anticristo. A identificação seria usada como uma espécie de documento oficial, “para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tem a marca…” (13.17).

Segundo o teólogo e mestre em filosofia Jonas Madureira, não há qualquer indício na Bíblia de que os chips, em qualquer forma, sejam a tal “marca da besta” –— pelo menos até agora. “Acontece que o Apocalipse é um livro confuso até mesmo para os maiores estudiosos dos textos sagrados, cheio de enigmas e metáforas”, afirma.

Madureira explica que muito dessa confusão se dá pelas diferentes correntes de estudiosos. ““Enquanto um grupo, mais moderno, defende que muito na Bíblia está em forma de metáfora, de simbolismo, outra corrente mais tradicional afirma que tudo deve ser interpretado ao pé da letra””, esclarece o teólogo.

Jonas explica que nas décadas de 20 e 30 do século passado, os liberais, que preferiam a interpretação metafórica, ganharam destaque. Para contrariá-los, os fundamentalistas, mais tradicionais, defendiam a literalidade dos textos bíblicos.

Para completar a confusão, existem correntes que, embora não sejam liberais, aceitam a interpretação baseada no simbolismo. Há quem ache realmente, mesmo nos círculos evangélicos, que os chips são o falado selo do anticristo. Outros defendem que a tal marca citada em Apocalipse não seria física, mas espiritual.

veja também