Cerca de 46 mil contas do Twitter manifestam apoio ao Estado islâmico

Os dados foram revelados em um estudo recentemente publicado, nos Estados Unidos.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Segunda-feira, 9 Março de 2015 as 12:22

Aproximadamente 20% dos apoiadores do Estado Islâmico no Twitter têm feito postagens em inglês.
Aproximadamente 20% dos apoiadores do Estado Islâmico no Twitter têm feito postagens em inglês.

Um novo estudo feito por pesquisadores da área de política de imigração dos Estados Unidos revelou que, pelo menos 46 mil contas do Twitter estão sendo usadas para apoiar o Estado Islâmico.

Os usuários foram localizados em países como Síria, Iraque e outras regiões marcadas pela ação do grupo terrorista.

Quase um quinto dos adeptos do EI tem usado a mídia social com o inglês como língua principal para fazer suas postagens, e três quartos têm usado o árabe.

Estas contas que têm declarado apoio ao grupo terrorista apresentaram uma média de cerca de 1.000 seguidores, cada e se mostraram muito mais ativas do que os usuários em geral do Twitter.

Recentemente o Twitter suspendeu cerca de 2 mil contas por apresentarem apoio claro ao Estado Islâmico. Os pesquisadores JM Berger e Jonathon Morgan descobriram que as contas que twittaram na maioria das vezes e tinha a mais seguidores eram as mais propensos a serem canceladas.

Eles também descobriram que grande parte do sucesso do grupo nas mídias sociais se deve a um pequeno grupo de usuários "hiperativos", que gira em torno de 500 e 2.000 contas. Essas pessoas tendem a tuitar "em rajadas concentradas de alto volume", segundo os estudiosos relataram.

Intitulado "The ISIS Twitter census: Defining and describing the population of ISIS supporters on Twitter" ("O Censo do EI no Twitter: Definindo e descrevendo a população de apoiadoresdo do EI no Twitter") foi publicado pela "Brookings Institution" (EUA).

Os pesquisadores usaram "metodologia sofisticada e inovadora" para mapear os locais, idiomas preferidos e o número e tipo de seguidores das contas da maioria dos que foram marcados com a sua localização.

Os autores alertaram as empresas de mídia social e do governo dos Estados Unidos para trabalhar em conjunto na elaboração de respostas apropriadas para o extremismo na mídia social. O problema do uso da mídia social pelos extremistas é mais provável que seja combatida com sucesso "quando for integrado nos diálogos mais amplos entre a ampla gama de comunidade, o setor privado e as partes públicas interessadas", descobriram os pesquisadores.

A capacidade de extremistas em aproveitar o poder da mídia social é uma preocupação crescente nos mais altos níveis do governo internacional.

Esta semana, o novo chefe do Pentágono (EUA), Ashton Carter, disse: "Este é um grupo de terrorismo social, impulsionado pela mídia de uma forma que nós nunca tínhamos visto antes".

"As pessoas que estão muito distantes de qualquer campo de batalha, a partir de qualquer experiência de radicalismo e, de repente, tornam-se atraídas através da mídia social".

Igreja Perseguida
O Estado Islâmico é responsável por milhares de mortes, execuções brutais, raptos em massa e exibe cenas repugnantes de violência, postadas em vídeos on-line como parte da campanha para estabelecer um "califado" em torno da Síria.

No mês passado, o grupo terrorista decapitou 21 cristãos coptas em uma praia da Líbia, chocando o mundo e - entre outros fatos - estimulou pessoas a lançarem campanhas contra a perseguição religiosa de forma geral nas mídias sociais.

Atualmente, uma campanha de 40 dias de oração pela igreja perseguida de todo o mundo está sendo fortemente divulgada. Clique aqui para saber mais.

 

 

veja também