Cientistas revelam que rosto de Jesus Cristo foi a parte mais agredida antes da crucificação

Pesquisadores da Universidade de Brescia, na Itália, concluíram de forma preliminar que os agressores de Jesus focaram principalmente em seu rosto na hora de golpeá-lo.

fonte: Guiame, com informações de Yahoo Notícias

Atualizado: Quarta-feira, 2 Dezembro de 2015 as 2:23

"Sudário de Turim" é o nome dado ao tecido que teria sido utilizado para cobrir o corpo de Jesus após sua morte. (Foto: Reprodução)
"Sudário de Turim" é o nome dado ao tecido que teria sido utilizado para cobrir o corpo de Jesus após sua morte. (Foto: Reprodução)

Um grupo de cientistas descobriu detalhes do espancamento de Cristo através de um estudo realizado com o suposto tecido que cobriu o corpo de Jesus após sua morte.

A equipe multidisciplinar de pesquisadores da Universidade de Brescia, na Itália, estudou as dimensões das estruturas do crânio e da face com base no "Sudário de Turim" — nome dado ao tecido que teria sido utilizado para cobrir o corpo de Jesus após sua morte e, por isso, a peça-chave para revelar esse tipo de detalhe.

O maior detalhe encontrado pelos pesquisadores foi a revelação da presença de uma luxação da articulação temporomandibular. A lesão teria sido provocada por golpes dados no rosto de Jesus pelas pessoas que o transportaram até o local onde foi crucificado.

Diante disso, os cientistas concluíram de forma preliminar que os agressores de Jesus focaram principalmente em seu rosto na hora de golpeá-lo. Ainda segundo o estudo, a luxação encontrada é uma fratura no osso da mandíbula, que tem como principal causa a agressão física.

O Sudário de Turim é a principal peça de estudo acerca de Jesus Cristo atualmente. Apesar disso, os cientistas não possuem uma confirmação exata de que o tecido em questão realmente foi utilizado para cobrir o corpo de Cristo após ele ter sido espancado, crucificado e morto.

veja também