Comunidades cristãs se unem para preservar o 'túmulo de Jesus' em Jerusalém

No início de 2015, o governo israelense interditou a estrutura em volta do túmulo, alegando que o santuário corre um risco iminente de desabar. Esta situação levou finalmente os três grupos a trabalharem juntos para chegar a um plano de reforma.

fonte: Guiame, com informações do New York Times

Atualizado: Sábado, 9 Abril de 2016 as 1:46

Estrutura que envolve o local onde acredita-se ter sido o túmulo de Jesus Cristo, na Igreja do Santo Sepulcro. (Foto: AP)
Estrutura que envolve o local onde acredita-se ter sido o túmulo de Jesus Cristo, na Igreja do Santo Sepulcro. (Foto: AP)

Apesar de uma suposta 'rivalidade antiga', três comunidades cristãs têm unido forças para conservar um dos símbolos mais emblemáticos do cristianismo: o santuário de 206 anos, construído no local onde acredita-se que esteja localizado o túmulo vazio de Jesus. O espaço fica alojado em a icônica Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém.

"Um dos problemas graves na igreja é que muitas vezes o status quo se sobrepõe a qualquer outra consideração, e não é uma coisa boa", disse Atanásio Macora, um frade franciscano, ao jornal 'The New York Times'. "A unidade é mais importante do que uma guerra de territórios".

Segundo relatório do jornal norte-americano, em um movimento inovador, líderes das igrejas Ortodoxa Grega, Apostólica Armênia e Católicas romanas anunciaram no mês passado que irão se unir para custear a reforma do santuário, que custará cerca de 3,4 milhões de dólares, tem início previsto para o mês e deve ser concluída em 2017.

As três igrejas vão dividir os custos de maneira uniforme, além de contar com doações privadas e públicas e irão contar com o trabalho de arquitetos. Atualmente, o "túmulo de Jesus" é cercado por uma estrutura de 206 anos de idade, por uma 'gaiola' dilapidada de 69 anos de idade, conforme o NY Times.

"Alguém tinha que nos pressionar", disse o Rev. Samuel Aghoyan, representante do Patriarcado armênio no Santo Sepulcro, que é um Patrimônio Mundial da UNESCO, ao jornal. "Se o governo de Israel não se envolvesse, ninguém teria feito coisa alguma".


Tentativas

Embora a necessidade da reforma já tenha se evidenciado há anos, 'contendas' entre os três grupos religiosos que controlam atualmente o local do túmulo histórico vinham impedido qualquer ação nesse sentido.

A última tentativa de renovação começou na década de 1950, quando as autoridades jordanianas que controlavam a Jerusalém Oriental no momento pressionaram representantes cristãos a formarem de um gabinete técnico para reparar os danos causados por um terremoto em 1927. Infelizmente, o processo foi interrompido mais de uma década mais tarde, segundo relatou o Padre Macora.

Então, em 2008, monges e padres chegaram a brigar perto do santuário "dando socos e puxando cabelos uns dos outros, não muito longe do túmulo onde os cristãos acreditam que Jesus ressuscitou", de acordo com o NY Times.

Um determinado ponto de discórdia tem sido "séculos de idade, regras e tradições - chamado o status quo - que definem a forma como locais sagrados de Jerusalém são regidos. De acordo com este "status quo", mesmo o ato de reparação de um local sagrado pode implicar a propriedade.


Urgência
No entanto, no início de 2015, o governo israelense cercou temporariamente a estrutura, alegando que o santuário corre um risco iminente de desabar. Esta situação levou finalmente os três grupos a trabalharem juntos para chegar a um plano de reforma.

"A inspiração que nos levou a esta unidade foi a ameaça de perder o santuário completamente... A mensagem era clara: "reformen-no ou então...", destacou Macora. Antonia Moropoulou, a especialista em conservação que irá atuar no projeto, disse que espera que a tão aguardada reforma "mantenha o espírito intangível de um monumento vivo"

"Este túmulo é o lugar mais vivo", disse ela ao NY Times. "Mais ainda que qualquer coisa que eu já vi na minha vida... O maior desafio é preservar isso".

veja também