Confeiteiros cristãos pagam 135 mil dólares, após se recusarem a fazer bolo para casamento gay

A história despertou grande debate em todo o território dos Estados Unidos sobre questões que envolvem profissionais e suas respectivas liberdades religiosas.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Terça-feira, 29 Dezembro de 2015 as 2:28


Os donos de uma confeitaria no estado de Oregon (EUA) pagaram a indenização de 135.000 dólares em danos a um casal de lésbicas por se recusarem a fazer um bolo de casamento para a festa de casamento delas, no início deste ano.

O jornal 'The Oregonian' informou na última segunda-feira que o casal Aaron Klein - ex-co-proprietário da extinta confeitaria 'Sweet Cakes by Melissa' ('Bolos Doces por Melissa') entregou um cheque de US $ 136,927.07 (135.000 mais taxas e juros) à 'Secretaria do Trabalho de Labor' e ao escritório 'Portland Industries' pelos danos e juros acumulados.

Ex-proprietários da confeitaria, Aaron e Melissa Klein tinham inicialmente dito que não iriam pagar o dinheiro para Rachel e Laurel Bowman-Cryer, o casal de lésbicas que para as quais os confeiteiros se recusaram a fazer um bolo para em 2013. Os Klein explicaram que a sua objeção a participar de casamentos entre pessoas do mesmo sexo deriva de sua crença religiosa de que o casamento tradicional é definida como uma união entre um homem e uma mulher.

A história despertou grande debate em todo o território dos Estados Unidos sobre questões que envolvem profissionais e suas respectivas liberdades religiosas. O casal recebeu um apoio significativo online - uma campanha de angariação de fundos levantou pelo menos 515 mil dólares desde o final de setembro para apoiar os empresários.

O casal cristão também recebeu o apoio de líderes conservadores notáveis, incluindo o reverendo Franklin Graham.

"Na minha opinião, este casal deveria pagar aos Klein, estes 135 mil dólares por tudo o que já passaram", disse Graham em uma mensagem postada em sua págnina do Facebook, em julho.

"Ainda mais revoltante é que a Avakian [joalheria] também já solicitou que os Klein desistam de falar publicamente sobre não estarem dispostos a assar bolos para casamentos entre pessoas do mesmo sexo, com base em suas crenças cristãs. Este é um ataque imediato contra o seu #DiscursoDeLiberdade", ele adicionou.

Rachel Bowman-Cryer, que visitou a confeitaria dos Klein com sua mãe no dia do ocorrido, em 2013, quando elas foram informadas de que não conseguiriam fazer o bolo com a 'Sweet Cakes', explicou sua experiência em um artigo para o jornal 'The Huffington Post'.

"Eu me senti simplesmente humilhada que isso tenha acontecido na frente de minha mãe, a quem passei todos estes anos tentando convencer que merecíamos acomodações iguais, e nós merecemos direitos, e nós merecemos nos casar. Eu estava chorando e ela estava tentando me consolar, dizendo: 'Não se preocupe, vamos encontrar alguém que faça para você um belo bolo".

Aaron Klein revelou em julho que, após o encerramento da 'Sweet Cakes by Melissa', ele conseguiu um emprego de coletor de lixo para ajudar a pagar as contas de sua casa.

O pagamento recente, no entanto, não significa que os Klein abandonaram seu apelo da ordem judicial, disse o advogado Tyler Smith. O advogado revelou que os seus clientes tomaram a decisão de pagar o dinheiro agora, em vez de incorrer em taxas de juros adicionais, mas disse que o Tribunal de Apelações de Oregon irá ouvir seus argumentos sobre o caso em 2016.

Smith disse que Secretaria do Trabalho "tentou cobrar taxas de juros de 9%, o equivalente a 35 dólares por dia, e tentou enfeitar quaisquer ativos contra os Klein,, então eles não poderiam ganhar juros sobre o dinheiro que havia sido doado a eles".

"A coisa prudente a fazer, dada a generosidade das pessoas que contribuíram fundos, era cuidar desta dívida e continuar a luta", acrescentou o advogado.

veja também