Cristã é estuprada por muçulmano em frente aos cinco filhos, no Paquistão

A cristã Samrah Badal foi estuprada por um muçulmano que exigia informações sobre o irmão dele, que teria fugido com a irmã da mulher. Como ela se recusou a falar sobre o paradeiro do casal, foi estuprada em frente aos cinco filhos.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Sexta-feira, 1 Julho de 2016 as 1:44

A violência contra os cristãos continua a ser frequente no Paquistão e às vezes os ataques são cometidos por membros de sua própria família. (Foto: Reuters)
A violência contra os cristãos continua a ser frequente no Paquistão e às vezes os ataques são cometidos por membros de sua própria família. (Foto: Reuters)

Uma mulher cristã foi espancada e estuprada na frente de seus cinco filhos por um homem muçulmano que procurava "vingar honra" de sua família, no Paquistão. A "desonra" teria vindo de um episódio no qual a irmã da mulher agredida se apaixonou e fugiu com o irmão do agressor.

O advogado cristão Aneeqa M. Anthony, coordenador da ONG "Sociedade de Voz" comentou as notícias sobre a agressão em um depoimento à agência de notícias Fides, revelando que o episódio aconteceu na semana passada em Lahore.

Anthony explicou que o irmão muçulmano e um grupo de outros homens foram até a casa da cristã Samrah Badal, buscando notícias sobre o casal 'fugitivo', mas a mulher se recusou a dar qualquer informação. Como consequência, ela foi despida e arrastado para a rua, onde ela foi estuprada na frente de seus cinco filhos.

O advogado observou que o homem muçulmano (irmão do agressor) que escapou com a menina cristã veio de uma família muito influente na cidade e isso teria sido parte da razão para que seu irmão saísse em busca de vingança.

Anthony pediu aos políticos que fizessem o possível para intervir em nome dos cristãos, temendo que o ataque, como muitos outros, ficasse impune pela polícia.

A violência contra os cristãos continua a ser frequente no Paquistão e às vezes os ataques são cometidos por membros de sua própria família.

Em um incidente separado, ainda neste mês de junho (2016), uma mãe muçulmana matou a própria filha adolescente, queimando-a até a morte porque ela se casou sem o consentimento dos pais e "envergonhou a família". Foi o terceiro crime desse tipo no espaço de um mês no Paquistão.

A menina de 18 anos de idade, Zeenat Rafiq, teria sido punida por se casar com um homem que sua família a tinha proibido de escolher, e tinha ido viver com a família do rapaz.

"Quando ela contou aos pais sobre nós, eles bateram tanto nela que ela sangrou pela boca e pelo nariz", disse o marido da jovem, Hassan Khan, à BBC local.

"Sua família a atraiu de volta, prometendo reconciliação e uma recepção de casamento apropriada. Ela estava com medo, ela disse 'eles não vão me poupar'. Ela não queria ir, mas a minha família a convenceu que era o certo a fazer. Como poderíamos adivinhar que eles iria matá-la?".


Feminismo?

Diante da frequente onda de violência contra as mulheres no Paquistão e em outros países ondem o islamismo impera como religião, cultura e até mesmo formação política, o pastor Franklin Graham questionou nas redes sociais, onde estariam as "defensoras dos direitos das mulheres" ou as chamadas "feministas" para se pronunciarem diante de tais atrocidades.

"Onde estão as 'Glorias Steinems', 'Bellas Abzugs' ou até mesmo as 'Hillarys Clintons', que se dizem defensoras dos direitos das mulheres quando se trata dos ensinamentos do islamismo? Por que eles não estão gritando e protestando contra a maneira como o islamismo trata as mulheres?", questionou o evangelista sua página no Facebook.

veja também